Ainda mais informações sobre Watch Dogs são reveladas via Twitter

Ainda mais informações sobre Watch Dogs são reveladas via Twitter

Último Vídeo

Os desenvolvedores de Watch Dogs estão revelando detalhes a respeito do game com certa frequência nos últimos tempos; com destaque especial para Colin Graham (diretor de animação), em sua conta no Twitter.

Exemplos das afirmações incluem que, embora a versão de PS3 seja inferior à do PS4 (com menos detalhes na física dos objetos), ela deve manter o essencial da jogabilidade e, também, e que o game seria otimizado para PCs para evitar uma performance ruim. Confira mais detalhes:

  • Quando alguém invade o seu mundo no modo multiplayer, as missões do single player são bloqueadas até você se livrar do intruso (a aparência do invasor será aleatória, sendo difícil distingui-lo dos NPCs);
  • Alguns esconderijos devem ser encontrados para desbloquear, enquanto outros ficam disponíveis por meio da história;
  • Para carros de encomenda, você paga por eles apenas uma vez, podendo tê-los entregues em qualquer lugar, sempre que precisar (o local de entrega geralmente é o estacionamento mais próximo de onde você estiver);
  • Roubar lojas dá pouco dinheiro em comparação com as missões de mundo aberto, contratos online e missões da história, que também dão mais experiência;
  • O jogador consegue rastrear apenas carros e pessoas envolvidas na missão atual (é inviável rastrear tudo o que existe no game);
  • Hackear caixas automáticos pode dar milhares de dólares, basta detectar pessoas ricas usando o app de perfis;
  • Causar blecautes impede que aparelhos eletrônicos sejam hackeados, pois não há eletricidade;
  • Há como jogar com os seus amigos em modo privado, sem invasões.

“Os jogadores aguentam mais complexidade”

Outras informações foram reveladas pelo Twitter do diretor criativo do game, Jonathan Morin; por exemplo: um jogador invadido no modo multiplayer seria protegido de futuros ataques durante algum tempo e, também, inimigos atingidos na perna cairiam no chão por causa da dor.

Explicando a razão para não haver helicópteros no game, ele afirma que eles comprometeriam a densidade do título, impedindo que você ficasse 20 minutos sem sair do lugar, por exemplo. Em uma entrevista para o site Edge, Morin afirmou que muitos jogos atuais estariam sendo simplificados demais para atingir um público maior e fazer mais dinheiro.

Como foi mal-interpretado por muitos, ele comentou a respeito, dizendo que as empresas estariam subestimando os jogadores, pois eles aguentariam coisas mais complexas (que é a proposta de Watch Dogs, por sinal). Para quem ficou confuso com imagens do game no PS4 que mostravam botões ao estilo do Xbox na interface dos menus, Morin assegura que os programadores conseguem mudar isso em um piscar de olhos.

Todo o potencial da nova geração

Em entrevista ao site alemão PC Games, o responsável pela animação das cinematics de Watch Dogs, Lars Bonde, fez comentários mais voltados aos consoles do que ao game em si. Um deles seria que, apesar da recriação digital ambiciosa de Chicago, a experiência do game seria a mesma em consoles da nova geração e da anterior; a jogabilidade também seria a mesma, e as diferenças ficariam em nuances.

Essa afirmação pode fazer os jogadores pensarem que as versões para Xbox One e PS4 não seriam muito boas; no entanto, Bonde logo acalma os ânimos ao assegurar que Watch Dogs usará absolutamente toda a capacidade dos consoles da nova geração. Segundo Bonde, a resolução no PS4 é Full HD; porém, nenhum número foi indicado para o Xbox One, apenas foi dito que ambas as versões são praticamente idênticas em todos os aspectos.

Watch Dogs será lançado no dia 27 de maio para Xbox One, PS4, PS3, Xbox 360 e PC.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.