"Com os amiibos, o céu é o limite", diz executivo da Nintendo

"Com os amiibos, o céu é o limite", diz executivo da Nintendo

Último Vídeo

O final do ano está chegando e junto com ele as apostas da Nintendo para o período: Super Smash Bros. para o Wii U, e os remakes Pokémon Omega Ruby e Alpha Sapphire para o 3DS. Mas talvez o lançamento mais esperado pela própria companhia seja a sua linha de figuras interativas, os amiibos, que será lançada inicialmente para ter compatibilidade direta com o famoso jogo de luta da empresa.

Mesmo que ainda não tenham sido sequer lançados no mercado propriamente, os amiibos já foram planejados para interagir com outros games da Big N, como Hyrule Warriors e Mario Kart 8, além de uma futura compatibilidade com o 3DS, tudo isso para que alcancem os fãs de todos os gêneros possíveis e sejam um sucesso comercial.

Mas por que parar com os exclusivos, afinal? Em entrevista à IGN, o gerente de licenças Damon Baker explicou que as figuras com conexão NFC não devem se limitar somente às franquias da casa, e oportunidades já estão sendo exploradas junto a empresas parceiras e há até mesmo conversas com desenvolvedores indie.

“Estamos tendo essas conversas e elas ainda estão nos seus estágios iniciais, mesmo porque os amiibos não serão lançados até o fim desse mês. Nós estamos muito animados de ver como isso se desenrolará, pois há um interesse massivo de nossos parceiros e estamos observando quais serão os melhores modelos de negócio e níveis de integração. Há ideias realmente criativas chegando e nós estamos trabalhando em algumas oportunidades para o próximo ano”, disse Baker.

Essa é a mesma opinião do diretor de marketing David Wharton, que acredita que os amiibos se tornarão um grande produto tanto para a Nintendo quanto para os seus parceiros de negócio:

“Pensando na implementação de nossos produtos, eles são realmente centrados nos desenvolvedores. Trata-se de realmente criar novas oportunidades e novas maneiras de estender o valor dos jogos e trazer funcionalidade para dentro deles. Como empresa, estamos interessados em todas as formas diferentes de exploração dessa funcionalidade.

Exatamente o que isso tudo vai se tornar no futuro, tanto para nossos parceiros como para a própria companhia, ainda está para ser escrito. Temos alguns exemplos do modo como as coisas estão hoje – mas imaginando o futuro, o céu é o limite”, concluiu Wharton.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.