Billy Mitchell perde recorde em Donkey Kong por jogar no MAME
90
Compartilhamentos

Billy Mitchell perde recorde em Donkey Kong por jogar no MAME

Último Vídeo

Um dos maiores nomes da cena competitiva de Donkey Kong e figura central no documentário “King of Kong”, Billy Mitchell teve seus recordes no jogo desconsiderados pela equipe do Twin Galaxies. Uma investigação publicada na última sexta-feira (2) mostra que ele conseguiu suas pontuações jogando no MAME e não no hardware original fabricado pela Nintendo.

Com isso, o moderador conhecido como Xelnia (nome real: Jeremy Young) removeu o recorde de 1,062 milhão de pontos de Mitchell, que aparecia no top 20 dos melhores jogadores de Donkey Kong. Embora o terceiro colocado do ranking também tenha jogado no MAME, o fato de que Mitchell afirmava ter jogado no hardware original fez com que seu desempenho não tenha passado pelos processos de verificação adequados.

Donkey Kong

No MAME, que emula o software de um arcade, é possível programar arquivos para que eles joguem o game automaticamente, entre outras modificações. “É possível que essas seções tenham sido gravadas de uma única vez. Dado o estilo de jogo nos vídeos de Billy, é mais provável que a gravação INP do MAME básico tenha sido usada, na qual uma pessoa pode regravar um INP quantas vezes ela quiser para criar o desempenho desejado”, explicou Xelnia.

O moderador também apontou a forma como as imagens do jogo são formadas como uma prova de que Mitchell jogou no emulador e não em um hardware original. Embora o MAME seja permitido para recordes mundiais do jogo, isso exige que uma testemunha esteja presente à jogatina, algo que não aconteceu com as gravações submetidas para análise.

A decisão do Twin Galaxies deve ser contestada pelo recordista e já está sendo motivo de debates na comunidade dedicada ao game, provando que mesmo um game com décadas de existência como o Donkey Kong original ainda é capaz de conservar uma base de fãs bastante dedicada.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.