Codemasters deve demitir funcionários das equipes de DiRT e GRiD

Codemasters deve demitir funcionários das equipes de DiRT e GRiD

Último Vídeo

A desenvolvedora britânica Codemasters deve “enxugar” em breve uma boa parte do seu quadro de funcionários. Conforme disseram ao site Eurogamer algumas fontes próximas ao estúdio, algo em torno de 50 postos estão atualmente passando por um processo de revisão — sendo que aproximadamente 30 destes devem ser liberados em um prazo de 30 dias.

Atualmente, aproximadamente 500 pessoas trabalham para a Codemasters ao redor do mundo. De acordo com a referida fonte, o foco das demissões são os setores responsáveis pelo gerenciamento de marcas e os departamentos de T. I. (tecnologia da informação), os quais ficam localizados na matriz da companhia em Southam, Warwickshire (Inglaterra).

Um sujeito que não quis ser identificado afirmou que as equipes de programadores e produtores estão a salvo. Entretanto, os designers e artistas que trabalham em GRiD e DiRT estão entre os principais alvos da revisão que busca “redundâncias” entre os cargos.

Equipe de F1 não corre perigo

A referida fonte disse ainda ao site Eurogamer que os profissionais responsáveis pela série F1 não correm perigo de demissão. A equipe, de fato, trabalha atualmente em uma edição da série para PlayStation 4 e Xbox One; o desenvolvimento e outras atividades associadas ao game devem continuar a todo vapor.

Novo DiRT pode sofrer adiamento

Embora um novo DiRT, ainda não anunciado, também continue em desenvolvimento, entretanto, é provável que o jogo acabe por sofrer atrasos. Fontes do referido site afirmaram que a Codemasters planejou anunciar um novo DiRT em breve, com a possibilidade de disponibilizar o game via Early Access em meados de fevereiro. Entretanto, como a companhia ainda digladia para conseguir as licenças para o veículo, isso acaba soando bastante improvável.

A despeito de a equipe responsável por DiRT ter sido reduzida — com muito menos gente trabalhando como desenvolvimento, sobretudo quando se compara com o batalhão que trouxe GRiD Autorsport no ano passado —, a referida fonte da Eurogamer garante que o desenvolvimento do novo games sempre contou com apenas 20 profissionais envolvidos.

Foco em “áreas de importância crescente”

Os detalhes sobre as demissões, todavia, permanecem um tanto vagos. Até porque, mesmo os funcionários foram informados sobre os cortes apenas na semana passada. “Conforme a Codemasters continua o seu programa de realinhamento estratégico ao passo das mudanças do mercado, a companhia reviu sua estrutura atual a fim de focar em áreas de importância crescente em detrimento daquelas em que a demanda por trabalho tem sido reduzida”, disse um representante da companhia à Eurogamer.

“Como resultado dessa revisão, um pequeno número de postos foi considerado como sob risco de redundância”, continua o sujeito. “Os postos potencialmente afetados estão agora envolvidos em um período de consulta, a fim de discutir a proposta.” Não obstante, o representante garante que os cortes não afetam os jogos atualmente em desenvolvimento, afirmando ainda que nenhum deles foi cancelado.

A Codemasters acabou penando um pouco nos últimos anos, em seu esforço para se adequar à chegada das novas gerações de consoles da Sony e da Microsoft em novembro de 2013. De fato, a companhia até hoje não lançou nada nem para o PlayStation 4 e nem para o Xbox One — algo que tomou público e crítica de surpresa, sobretudo quando a edição 2014 de F1 foi anunciado apenas para consoles da sétima geração. O último game lançado pela desenvolvedora foi Toybox Turbos, além de vários títulos menores para plataformas mobile.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.