Diante das críticas, Ubisoft quer mudar política de análise para seus jogos

Diante das críticas, Ubisoft quer mudar política de análise para seus jogos

Último Vídeo

Os bugs em Assassins’s Creed Unity não serão esquecidos tão cedo. Como se não bastasse as quedas no desempenho gráfico durante a jogatina, o game também apresentou uma série de erros no carregamento de imagens e texturas. Além disso, as microtransações presentes no título também não agradaram a todos que estavam esperando ansiosamente pela continuação da saga dos assassinos.

Até mesmo o mercado financeiro reagiu de acordo com os resultados de Assassin’s Creed Unity. A Ubisoft já falou sobre o assunto, mas resolveu dar mais algumas explicações para o site BBC News. Segundo a nota, por causa da recepção negativa no lançamento vinda dos jogadores, da imprensa e dos próprios investidores, a companhia está se articulando para promover algumas mudanças na política de análises e críticas de seus jogos.

Além das condenações sobre a qualidade do game, a Ubisoft também foi acusada de demorar a liberar o título para os veículos que realizam as análises de jogos. Explicando sobre as dificuldades em criar um universo multiplayer em que os jogadores podem interagir através da internet, a empresa alega que esse modo cooperativo foi a razão pela qual houve atraso na entrega de versões para a crítica.

“Estamos trabalhando para adaptar nossos serviços e comunicações com os consumidores nesse sentido, mudando a nossa forma de trabalhar com as pessoas que fazem análises e oferecendo aos jogadores versões Betas abertos ou outro tipo de acesso antecipada a alguns jogos, tudo para que eles tenham as informações que precisam e querem”, disse um porta-voz da Ubisoft.

Entedendo a questão

É certo que o título foi bastante criticado por todas as pessoas, sejam gamers ou a crítica especializada, mas é justo analisar um game da forma como Assassin’s Creed Unity foi entregue? Certamente que sim, principalmente por que o jogo foi oficialmente lançado pela Ubisoft, o que não a isentaria dos bugs grotescos que vimos.

Porém, o título guarda muitas outras boas novas que ficaram ocultadas por causa desses erros. O que a companhia pretende fazer é sensibilizar esses que tecem as críticas para que eles acompanhem e sintam o crescimento do game junto com os desenvolvedores.

O embargo imposto pela Ubisoft também foi duramente criticado por alguns sites. O período a ser respeitado pelos veículos especializados foi encarado como uma atitude “contra o consumidor” por impedir que muitos saibam a respeito do título antes de tirarem o jogo da prateleira e colocarem no carrinho.

“Não há uma razão válida para um embargo como esse. É uma atitude contra o consumidor e provavelmente arquitetada para ganhar aquela horda de fãs hardcores que correm para as lojas para obterem suas cópias antes de as opiniões sobre o game sair”, disse Bem Kuchera, escritor do site Polygon.

E os problemas do game?

“Atualmente, estamos trabalhando na próxima atualização que ajudará a resolver alguns dos problemas que os jogadores estão tendo, incluindo: Arno [o protagonista] atravessando o chão; travamentos no game quando uma sessão cooperativa se inicia; Arno sendo pego dentro de carroças de feno; lentidão para acessar a tela do menu principal ao iniciar o jogo”.

Será que faltaram testes (ou tempo) para que os desenvolvedores averiguassem esses e muitos outros erros apresentados no game? Qual a sua opinião sobre a política de liberação de títulos para a imprensa especializada realizar análises antes do lançamento? Deixe a sua opinião no campo dos comentários!

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.