Voxel

Desenvolvedora de Sniper Elite 3 explica mundo semi-aberto do game

Último Vídeo

Imagem do game Sniper Elite V2.
Sniper Elite 3 deixa a Berlim destruída pela Segunda Guerra Mundial para situar sua história no norte da África. Essa mudança, acompanhada pela chegada de uma nova geração de consoles, permitiu que o game assumisse ares de semi-mundo aberto, com os maiores cenários já vistos na história da série.

O presidente da desenvolvedora Rebellion, Jason Kingsley, afirma que as novidades trarão ainda mais maneiras de explodir a cabeça dos inimigos com tiros precisos. Além disso, a ideia é apresentar cenários críveis, no qual a escolha de esconderijos e abordagens realmente faz a diferença.

Com isso, veio uma atenção maior à inteligência artificial dos inimigos. Os combates armados não vão mais parece um game de tiro com sistema de coberturas, onde os oponentes simplesmente atiram e se escondem. Os soldados agirão de forma muito mais densa, estudando maneiras de tirar o jogador de seu esconderijo, cometendo erros ou tomando atitudes heroicas.

Kingsley discutiu ainda a possibilidade de um declínio nos games de tiro com ambientações anuais ou futuristas e um possível retorno à temática da Segunda Guerra Mundial. Na opinião deles, essas tendências são cíclicas, desaparecendo e voltando ao longo do tempo. Mas, para a Rebellion, o importante é fazer um bom game e não seguir o que o mercado está apresentando.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.