Voxel

Desenvolvedores do Ouya respondem a críticas negativas

Último Vídeo

Muito esperado por quem investiu em seu projeto no Kickstarter, o Ouya ainda não provou seu verdadeiro potencial. Diversos veículos que tiveram acesso à versão de desenvolvimento do console (enviada para os apoiadores iniciais da iniciativa) criticaram vários aspectos do aparelho: sua qualidade de construção, sua interface de navegação, o processo de instalação dos games e os mecanismos de compra oferecidos dentro de seus aplicativos.

Em uma atualização publicada em seu blog oficial, a empresa responsável pelo novo console afirma que todos esses problemas vão ser resolvidos assim que a versão final do produto chegar às lojas. Segundo a companhia, os dispositivos analisados por sites como o The Verge e o Engadget se tratam de versões preliminares, e, portanto, é normal que eles apresentem alguns problemas e limitações.

“Para esclarecer — a Ouya não mandou qualquer unidade de testes para a imprensa. Qualquer análise que você tenha visto online é resultado de indivíduos que receberam unidades iniciais por terem nos apoiado no Kickstarter”, esclareceu a companhia em um comunicado oficial.

Trabalhando em melhorias

Os responsáveis pelo console afirmam que estão cientes de que ele ainda não está completo, e que medidas já foram tomadas para que ele não decepcione quando chegar oficialmente às lojas (algo que deve acontecer em junho deste ano). Entre elas está a adição de ímãs adicionais ao controle para que sua proteção externa fique mais firme e não caia durante o transporte das unidades.

Também estão sendo preparadas diversas novidades para o software do aparelho, incluindo um processo de instalação mais simples, novas opções de pagamento e a adição de suporte a joysticks durante a reprodução de vídeos. A empresa também estuda adicionar a compatibilidade com unidades externas de armazenamento e pretende oferecer novos métodos para desenvolvedores acompanharem o resultado de seus trabalhos.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.