Quem diria: projeto de Duke Nukem cancelado para PSP é encontrado

Quem diria: projeto de Duke Nukem cancelado para PSP é encontrado

Último Vídeo

Quem diria que uma instituição cultural como uma biblioteca – se bem que aqui estamos falando da Biblioteca do Congresso, nos EUA – seria a fonte de um game que nunca viu a luz do dia. Estamos falando de Duke Nukem: Critical Mass, título da franquia que sairia para o PSP e foi cancelado.

O game, no entanto, chegou a ser lançado para o Nintendo DS, mas a versão para o antigo portátil da Sony seria substancialmente diferente e apresentaria diversas mudanças – o game do herói canastrão tinha tudo para ser um hit.

Eis que um funcionário da Biblioteca do Congresso, que tem mais de 120 milhões de itens no acervo e é uma das maiores instituições federais dos EUA, encontrou o código-fonte completo do suposto game, incluindo todos os assets.

O técnico de processamento David Gibson disse que, por questões legais e logísticas, o conteúdo não poderá ser compartilhado. “Dar o acesso ao conteúdo do disco para pesquisadores vai, infelizmente, continuar sendo um desafio. Os obstáculos legais e logísticos relacionados ao acesso a softwares licenciados vão continuar aparecendo, mas eu acredito que, com a demanda necessária e o valor que tais itens têm, pode ser que eles sejam acessíveis no futuro”, escreveu o funcionário em postagem no blog The Signal, que trata de preservação digital.

Neste momento, portanto, os códigos e assets do game permanecerão em segredo. “Por enquanto, os assets e códigos serão armazenados em nossos arquivos digitais no campus Packard, e o disco físico será colocado em câmaras de temperatura controlada”, concluiu Gibson.

A Biblioteca do Congresso é famosa por conter um vasto acervo de conteúdo de história em formato digital. O local tem uma infraestrutura de ponta para armazenar materiais com risco de degradação.

É, senhoras e senhores. Duke Nukem: Critical Mass para PSP não vai sair da geladeira.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.