Voxel
Seja o primeiro a compartilhar

Doom na QuakeCon 2015: parece que o negócio está quente mesmo

Último Vídeo

O passado vem ao presente e pode fazer uma grande diferença no futuro com o vindouro Doom. A Bethesda apresentou um generoso gameplay do game na E3 2015, e o TecMundo Games esteve lá para conferir de pertinho o que rolou – além de tudo o que vocês conferiram via streaming, é claro (logo acima). Agora, é a vez da QuakeCon 2015 trazer mais informações do aguardado shooter, que busca mesclar o legado do passado com mecânicas do presente.

Os caras lá de fora sentiram um gostinho do game no hands-on do multiplayer e constataram aquilo que muitos imaginaram: Doom tem cara de coisa nova e um saborzinho de velharia – no melhor dos sentidos.

Rápido e sem regeneração de energia

Um dos principais temperos “old-school” do jogo é que não, ele não aderiu à regeneração de energia. É preciso pegar medkits ao longo das fases para recuperar o life. A velocidade da movimentação está sendo descrita como “incrivelmente rápida”, mas não se enganem: também há o gostinho moderno da experiência.

O ambiente é absolutamente explorável, sendo possível carregar um save a qualquer momento – e não se ferrar tanto assim por causa disso. “Não acho que se trata de velho e novo. Trata-se de diversão e do que é Doom. Começamos cedo a tentar descobrir a identidade do jogo. Não o que é o ‘velho Doom’, mas sim o que é Doom? O que nos faz sentir? O que queremos de uma experiência Doom? (...) Não há regeneração de energia. É [um jogo] baseado em movimentação, um dos elementos mais importantes de nossa experiência. Queremos colocar os jogadores no combate, desviando de projéteis, sendo mais rápidos que o inimigo. A regeneração não se encaixa aí porque você está em movimento o tempo todo, se cobrindo, o que pode ser divertido de uma perspectiva tática”, contou Marty Stratton, produtor executivo do game, ao IGN.

O respawn do personagem nas partidas multiplayer é rápido, algo que reflete o cenário dos atuais shooters no mercado.

Aparentemente, mesclar o novo com o velho não é necessariamente algo em que a desenvolvedora pensa. A ideia, aqui, é simplesmente trazer um Doom que entregue uma experiência à altura da franquia – grande, portanto.

Aguardemos. Doom será lançado em 2016 para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Vocês estão botando uma fé no novo Doom? Comentem no Fórum do TecMundo Games.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.