Jogadores promovem boicote a FIFA 18 na Black Friday
235
Compartilhamentos

Jogadores promovem boicote a FIFA 18 na Black Friday

Último Vídeo

Alvo de várias críticas graças às estratégias de monetização de Star Wars Battlefront II, a Electronic Arts também está causando descontentamento entre os jogadores de FIFA 18. Através da hashtag #FixFifa, que se espalhou pelo Reddit, YouTube e Twitter, um grupo de fãs está tentando promover um boicote ao modo Ultimate Team durante a Black Friday deste ano.

Essa data é especialmente importante para a EA Sports, que costuma oferecer pacotes especiais para os jogadores que desejam incrementar suas equipes. A reclamação dos organizadores do boicote é que, enquanto a empresa se preocupa em novas formas de lucrar, o game continua repleto de glitches, bugs que favorecem trapaças e problemas de equilíbrio.

FIFA 18

Embora seja possível jogar o Ultimate Team sem gastar nada por isso, jogadores afirmam que a desenvolvedora criou mecânicas que favorecem quem investe mais dinheiro. Ao exigir uma grande dedicação de quem não quer recorrer a esses métodos, o jogo estaria punindo quem efetivamente joga na hora de oferecer recompensas.

Segundo o YouTuber Goran Popovic afirmou à Polygon, o número de horas necessário para obter um jogador com boas estatísticas é proibitivo. Segundo ele, comprar alguém como Cristiano Ronaldo pode eliminar de uma só vez centenas e horas de jogo — que viram milhares de horas caso você queira formar uma equipe repleta de craques.

"O equilíbrio passou de um bom jogo com microtransações para um em que você meio que precisa gastar para poupar tempo"

Segundo Popovic, mesmo quem gasta dinheiro não tem garantia de seu retorno: ele afirma que um amigo gastou US$ 500 em cartas e só recebeu um goleiro considerado de alto nível. “O equilíbrio passou de um bom jogo com microtransações para um em que você meio que precisa gastar para poupar tempo, a não ser que você seja super sortudo ou um dos melhores jogadores”.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.