Voxel

Jogos educacionais: a nova tendência mobile deve alcançar US$ 6,6 bilhões em 2017

Último Vídeo

Teach With Portals: aprenda física em um ambiente bem familiar.

Os chamados “jogos sérios”, de cunho educacional, têm experimentando um crescendo considerável nos últimos anos. Como elemento central desse novo “gás” do setor está o verdadeiro boom das plataformas mobile — celulares, smartphones e tablets —, conforme revelaram os dados prospectados pela analista Ambient Insight.

Mas esse movimento deve estar ainda apenas ensaiando seus primeiros passos. De acordo com a companhia, a indústria de jogos educacionais deve passar dos US$ 1,5 bilhão anual de 2012 para US$ 2,3 bilhões em 2017. Além disso, o setor de jogos baseados em simulação, consideravelmente mais amplo — em que se incluem os softwares de treinamento corporativo — deve alcançar a respeitável soma de US$ 6,6 bilhões no mesmo ano (atualmente são 2,3 bilhões).

Novo fôlego mobile

“As plataformas mobile reenergizaram o mercado”, afirmou Sam Adkins, pesquisador-chefe da Ambilight Insight, em entrevista ao site GamesBeat — basicamente, adiantando o prognóstico que deve levar para a próxima edição da Serious Play Conference.

DragonBox: jogo de álgebra é mais popular do que Angry Birds em seu país de origem, a Noruega.

De acordo com Adkins, o setor de jogos sérios levanta por ano mais de US$ 111,7 milhões em investimentos. Já a porção mais “parruda” do negócio — aplicativos de treinamento de pessoal e softwares educacionais — conseguiu agregar mais de US$ 1,5 bilhão na modalidade de investimento conhecida como “capital de risco”.

“De todos os oito mercados que nós cobrimos, essa foi a maior quantia em investimentos obtida em capital educacional”, disse o pesquisador à referida publicação.

O pioneirismo da Nintendo

Embora divida o atual nicho de jogos educacionais em campos razoavelmente distintos — reservando um local apropriado aos jogos cujo foco é a avaliação direta do usuário —, Adkins cita a Nintendo como o estopim do movimento atual do setor. Ao lançar Brain Age: Train Your Brain in Minutes a Day em 2005 — jogo/software que vendeu mais de 37 milhões de cópias —, a Big N abria um importante clarão no mercado de jogos para as propostas educativas.


Dessa forma, aproveitando o vácuo, apareceram bons títulos, como Math Blaster, da JumpStart, que ensina matemática a crianças, agora em sua versão mobile. Entre as estreantes aparecem também a Lumos Labs (criadora de Lumosity), a MindSnacks, a Tiny Tap e também a Vivity Labs (responsáveis por FitBrains).

“A Nintendo imprimiu movimento a esse mercado com produtos para adultos, e agora essa tendência chegou aos jogos e aplicativos mobile”, disse Adkins, lembrando que os jogos educacionais passaram a figurar entre os “10 mais populares” em diversos países. “Jogos educativos para plataformas móveis estão agora ultrapassando suas versões para PC”, conclui.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.