Jogos gratuitos chegaram ao seu limite, diz analista
16
Compartilhamentos

Jogos gratuitos chegaram ao seu limite, diz analista

Último Vídeo

Seja você jogador de games para consoles, PC ou celulares, certamente já deve ter percebido que os jogos gratuitos (ou free-to-play) têm ganhado cada vez mais destaque entre o público – seja pela proposta que muitos deles apresentam ou apenas pela gratuidade. Enquanto muitos acreditam que esse é um mercado forte, outros imaginam que não há muito a crescer nesse segmento. 

Integrando o segundo grupo, temos Joost van Dreunen, diretor-executivo da empresa SuperData. Falando durante a conferência GameON: Finance em Toronto, no Canadá, ele mencionou que esse é um modelo que já está em declínio em alguns gêneros, enquanto a expansão Warlords of Draenor para World of Warcraft mostrou que ainda há espaço para o mercado de produtos pagos. 

“Acho que o que realmente está acontecendo é que de um lado você tem o público dos jogos gratuitos, e eu acho que esse já chegou ao seu limite em alguns níveis. Do outro temos os que estão dispostos a pagar dizendo ‘sim, eu quero comprar um game. Não quero lidar com propagandas e itens [pagos] nele. Quero [ser] premium’. Enquanto isso, no mercado de mobile, três quartos das coisas são construídas tendo o modelo gratuito como predominante, e já é possível ver uma espécie de retrocesso”, explicou van Dreunen.

Público infantil 

Outro dado mencionado pelo executivo durante a conferência é que um estudo recente feito pela SuperData revelou que crianças preferem versões pagas de alguns jogos por oferecerem a experiência completa, como é visto em Minecraft

“Elas preferem [os jogos] premium. Um exemplo é Minecraft, você compra ele por US$ 6 nos tablets e é tudo que você precisa. Claro, você pode adquirir uma expansão, mas a experiência está lá. E eu acho que isso funciona bem tanto para as crianças quanto para os pais, e as produtoras perceberam isso”, concluiu o executivo da SuperData.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.