Kickstarter é um bom aliado para produtores japoneses, diz Inafune
18
Compartilhamentos

Kickstarter é um bom aliado para produtores japoneses, diz Inafune

Último Vídeo

Não há dúvidas de que o Kickstarter tem se provado uma boa saída para conseguir a grana necessária para desenvolver um jogo, seja ele pequeno ou grande, americano ou japonês. E, para Keiji Inafune, desenvolvedores da terra do Sol Nascente podem se apoiar no site para dar vida às suas ideias. 

Falando ao site Eurogamer, Inafune, que atualmente trabalha em Mighty No.9 e ReCore, o sucesso de títulos renomados no Kickstarter pode ajudar a recuperar a confiança no trabalho daqueles que vivem e trabalham do outro lado do globo. 

“Tem sido um exercício de construção da confiança. Os japoneses puderam ver por meio de esforços em campanhas para títulos como Mighty No.9, Shenmue 3 de Yu Suzuki e Bloodstained: Ritual of the Night de Koji Igarashi que ainda há demanda para os nossos jogos. Não estamos mortos”, comentou Inafune. 

Ainda há demanda para os nossos jogos. Não estamos mortos

“É bom sentir que nossas crenças nesses projetos não foram colocadas no lugar errado. Plantamos uma semente que está crescendo. Agora precisamos entregar nossas promessas para que essas plantas possam florescer. Se conseguirmos isso, os feitos positivos a longo prazo serão significantes”, continuou o criador de Mighty No.9.

Compartilhando conhecimento 

Durante o bate-papo, também houve a menção de que Inafune tem planos de passar aquilo que adquiriu ao longo dos anos de trabalho na indústria à nova geração de desenvolvedores, uma vez que, para ele, atuar como mentor é uma das funções mais importantes desse meio. 

“Tenho coisas que gostaria de passar para a nova geração. Fazendo isso, talvez um dia eles irão além daquilo que eu poderia alcançar hoje”, comentou o desenvolvedor. 

Outro ponto mencionado por ele é que as pessoas que possuem cargos que lidam com questões criativas geralmente deixam suas posições por dois motivos: ou estão financeiramente bem ou não possuem nada mais a acrescentar – e nenhum desses é o seu caso. 

“Não acho que estou nesse estágio, e acredito que posso dizer o mesmo sobre Miyamoto e Kojima. Ainda posso fazer mais. Posso me ver continuando [nesse meio] até o dia em que eu for fisicamente incapaz de fazer mais. Sabe, talvez eu estarei trabalhando com jogos até morrer”, finalizou Inafune.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.