Voxel

Killzone: Mercenary mantém no portátil as qualidades da franquia

Último Vídeo

Img_normalDesde que foram lançadas imagens e trailers de Killzone: Mercenary para o PS Vita, fãs aguardam mais informações sobre o lançamento do game e seu processo de otimização para o portátil da Sony.

O título utiliza o mesmo motor gráfico e o mesmo núcleo de inteligência artificial dos jogos para console – o resultado, conforme o desenvolvedor Piers Jackson, da Guerrilla Games, é uma experiência comparável à de jogar Killzone 3, mas em um dispositivo portátil.

Otimização e qualidade gráfica em portátil

Apesar de algumas otimizações do sistema, a arquitetura do game é basicamente a mesma do último título da franquia para o PS3. De acordo com Jackson, foi possível traduzir a excelência gráfica de Killzone para o portátil com poucos sacrifícios; alguns processos de renderização e de áudio foram substituídos, mas a base de dados se manteve inalterada.

A preocupação no desenvolvimento do game para o PS Vita foi adaptar a visibilidade do jogo para a tela do dispositivo. Diferente da experiência em TV, o portátil limita um pouco o campo de visão e requer ajustes e traduções visuais específicos. O posicionamento dos inimigos, por exemplo, precisa estar de tal modo que seja visível e não se perca no ambiente: “A tela de alta resolução do Vita permite que os personagens se destaquem mesmo à distância”.

Mercenário: missões e modalidades

O jogo apresenta uma nova perspectiva sobre o universo da franquia. Mercenary começa após os eventos iniciais de Killzone, em uma cidade destruída na batalha de Vekta. As primeiras missões consistem em libertar o planeta. Depois, o game segue para o universo de Killzone 2, com a invasão de Pyrrhus.

Killzone: Mercenary tem nove missões na modalidade single player, sendo que cada uma delas pode levar de 40 minutos a uma hora para ser completada. O desenvolvedor garante ainda que há uma grande narrativa no jogo; uma história completa com muitas reviravoltas no caminho.

Img_normalHá, no decorrer do game, a opção de revistar as missões com níveis diferenciados de desafio e dificuldade. As três modalidades são: Covert, Precision e Demolition, cada uma delas com propostas específicas para jogar a missão de um jeito diferente. Em Covert, você vai necessitar de total discrição. Precision determinará a precisão de como você deverá combater os inimigos. E Demolition objetiva a explosão de coisas e lugares.

Armado até os dentes. E discreto?

As novidades no modo de jogo para o portátil mostram que a Guerrilla Games está dedicada a entregar um produto de altíssima qualidade para os fãs de FPS. Entre as características do game mais ressaltadas pelo desenvolvedor está a possibilidade de compra de armamento, o que permite configurar experiências distintas para cada missão.

Jackson destaca ainda a modalidade de jogo Stealth, que mostra o potencial da inteligência artificial do game. O desenvolvedor explica que a I.A. foi estendida para atender a outros estilos de jogabilidade: “Se você estiver tranquilo e usando armas silenciosas, a I.A. não vai lhe perturbar. Mas se você matar um soldado e deixar o corpo em evidência, outros inimigos vão ver e passar a perseguir você”.

Fonte: PlayStation.Blog

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.