Kingdom Come Deliverance nasceu pra ser um 'Red Dead Redemption de espadas'
02
Compartilhamentos

Kingdom Come Deliverance nasceu pra ser um 'Red Dead Redemption de espadas'

Último Vídeo

Dan Vavra, diretor criativo e co-fundador da Warhorse, estúdio responsável pelo desenvolvimento de Kingdom Come: Deliverance, esteve na Reboot Develop na semana passada e falou um pouco mais de como foi o processo de criação do RPG medieval.

O executivo explicou como Kingdom Come: Deliverance foi vendido para as publishers e potenciais investidores: um Red Dead Redemption com espadas. "Eu queria fazer o game o mais humano possível. Basicamente, o que dissemos em nossas reuniões era que queríamos um Red Dead Redemption com uma espada", explicou Vavra.

A ideia, a princípio, é de que o jogo fosse bastante focado em tarefas cotidianas da era medieval, que traria um realismo histórico ainda maior. O diretor disse que isso, por outro lado, faz com que o ritmo do game seja mais lento do que, por exemplo, em filmes.

"Gostaríamos de fazer as quests cotidianas o mais divertido possível. Escrevi uma quest bastante ambiciosa para que os outros roteiristas seguissem e tive que encontrar especialistas, porque a história é cercada por mitos de Hollywood, o que torna tudo meio ridículo. Os detalhes da vida real são os mais complicados", acrescentou.

Vavra revelou também que o nome do projeto, a princípio, era 1403: Retribution, mas nenhuma publisher se interessou pelo projeto. Foi aí que surgiu a ideia de levá-lo ao Kickstarter, para tentar o financiamento coletivo - e o resto é, com o perdão do trocadilho, história: a campanha foi um sucesso e o jogo, de certa forma, também.

Kingdom Come Deliverance

Kingdom Come: Deliverance levou 48 meses para ser desenvolvido, contando com um time de 10 roteiristas que levaram 20 meses escrevendo o jogo, o que explicou, pelo menos em parte, o atraso do game que estava planejado originalmente para o fim de 2015.

Ainda assim, o lançamento passou longe de ser perfeito: o jogo acabou saindo cheio de bugs, alguns deles que impediam o progresso do jogador. Vavra argumenta que essa é a parte mais difícil de se testar, porque levaria muito tempo para avaliar todos os impactos de correções de tudo que surgiu - tanto que, após o lançamento, a equipe de desenvolvimento ficou sabendo de bugs que eles nunca haviam visto.

Sobre isso, a Warhorse vem trabalhando em um ritmo confortável para arrumar a maior parte dos problemas para garantir que o trabalho tenha que ser feito apenas uma vez e não desencadeie uma série de outros problemas.

Kingdom Come: Deliverance foi lançado para PC, PS4 e Xbox One no fim de fevereiro.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.