League of Legends: atleta brasileiro é banido por jogar para terceiros

League of Legends: atleta brasileiro é banido por jogar para terceiros

Último Vídeo

A comunidade de League of Legends foi surpreendida na noite da quarta-feira (18) ao saber que mais um jogador profissional foi banido do circuito profissional da Riot Games. O alvo dessa vez foi Diogo “Shini” Rogê, acusado de jogar na conta de outras pessoas para melhorar a posição delas no ranking.

Rogê estava representando o time Keyd Warriors até o começo do mês, ocupando a quinta colocação do ranking do Circuito Desafiante. Ele já teve passagens na CNB e-Sports Club e na Keyd Stars.

A prática que gerou a punição, chamada de “elojob”, é muito criticada pela comunidade. Muitos jogadores de alto nível cobram por esse tipo de serviço, e alguns competidores das ligas oficiais também já foram identificados e receberam punições parecidas nos últimos anos.

Shini, quando ainda atuava pela CNB-Gaming

O último caso divulgado pela Riot Games foi com Marcelo "Riyev" Carrara, suporte da Jayob e-Sports que desde o dia 23 de fevereiro está impedido de jogar nas ligas organizadas pela Riot Games.

O período de afastamento é de um ano e os atletas punidos pela Riot Games podem participar dos torneios fora da divisão profissional. Mas, como muitos valem pontos para a liga da empresa, eles serão impedidos de continuar competindo caso recebam a classificação para o Campeonato Brasileiro de League of Legends.

Shini não constestou a decisão. Em sua página oficial, ele só fez a seguinte declaração.

"Gostaríamos de frisar que levamos as condutas dos jogadores muito a sério. Temos a responsabilidade de manter a qualidade e credibilidade do ambiente competitivo, e atitudes que comprometam isso não serão toleradas", escreveu o gerente de eSports da Riot Games, Philipe "PH Suman" Monteiro, no fórum oficial do jogo.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.