Voxel

Maior, maduro e mais robusto, The Witcher 3 tem tudo para ser o jogo do ano

Último Vídeo

Quem nunca jogou The Witcher certamente está espantado – ou no mínimo salivando de curiosidade – para conhecer The Witcher 3: Wild Hunt, tamanho é o hype que gira em torno do game, ainda mais após ter sido adiado mais de uma vez. As imagens e vídeos que brotam por aí, sempre em períodos estratégicos da indústria (épocas de entressafra), também são promissores. O último vídeo que o diga.

Na verdade, alguns veículos internacionais tiveram acesso a uma demo jogável de mais de três horas de duração, e as novidades não apenas mostram aquilo que se espera, mas muitas, muitas surpresas agradáveis.

Prepare-se: o que temos por aí é um expansivo mergulho pelo horizonte, com muito conteúdo voltado a um público novo ao mesmo tempo em que o legado da franquia, desde os seus primórdios, é respeitado. “Estamos convidando jogadores que não jogaram os games anteriores de braços abertos”, diz Marcin Iwinski, CEO da CD Projekt Red.

“Nossa abordagem mudou completamente de The Witcher e The Witcher 2”

A “pegada mais aberta” é justamente o maior chamariz de The Witcher 3. Preocupado em ser um RPG denso disfarçado de game de ação que bebe do hack’n’slash, o título será bem diferente do que o primeiro e o segundo foram – e absurdamente maior. “Nossa abordagem mudou bastante. Estamos dando mais polimento e tornando a jornada mais convidativa a qualquer jogador. Acho que essa é a forma com a qual os jogos deveriam ser feitos. Admiro muito, por exemplo, a BioWare e a Bethesda por introduzir isso", afirmou a CD Projekt Red.

Para quem não sabe, The Witcher 3 terá Ciri como uma das personagens controláveis em algum ponto ainda não esclarecido. A história toda, aliás, será brevemente mostrada a quem não acompanhou a série até aqui ou não conhece os livros. Para isso, o velho (e ainda eficiente) clichê “foi tudo um sonho” será utilizado para que o jogador reviva as memórias do passado e, assim, esteja mais contextualizado para o homérico mundo de jogo.

Nomes de locais, personagens e a função do bruxo Geralt nessa história toda serão apresentados ao jogador que não viu os dois primeiros games, com especial ênfase nos eventos de The Witcher 2. Dali, a trama imediatamente se expande e introduz o principal tempero de The Witcher 3: o mundo aberto. Maior do que qualquer coisa já vista por aí até agora – nem mesmo Skyrim vai competir com essa imensidão.

Tamanho do jogo reflete a complexidade da história

Conforme mencionado, o jogador assume o controle de Ciri em determinados momentos do game. Vamos evitar ao máximo dar spoilers aqui e buscamos falar pelo alto, mas, antes que a garota possa ser controlada, Geralt deve encontrá-la. Em sua jornada para fazer isso, o protagonista conta com Vesemir, um bruxo mais velho que explora o mundo de jogo ao lado de Geralt durante boa parte da aventura.

“A história ditou o tamanho do jogo. Essa foi a nossa receita para criar um mundo nessa escala sem que parecesse saturado. Não colocamos conteúdo só para preencher espaço”, explicou Miles Tost, level designer na CD Projekt Red.

35 vezes maior? Sim

A área geográfica de The Witcher 3 é “35 vezes maior do que todas as áreas jogáveis de The Witcher 2 combinadas”. Ainda não dá para dizer se o total é maior do que o mapa de Skyrim, mas, a julgar pela minúcia de detalhes com que a equipe está trabalhando, eis um “rival” à altura.

A demo a que alguns veículos internacionais tiveram acesso começa numa região pantanosa com alguns vilarejos, montanhas e riachos. Os dois bruxos estão em busca de Ciri e devem interagir com inúmeros NPCs para isso – característica que acompanha a franquia desde sempre.

O sistema de “detetive” de Geralt continua sendo a melhor forma de investigar os vestígios de criaturas e os rastros de pessoas, mas agora está muito mais robusto. Os passos ficam realçados de maneira mais visível e radiante e sem as oscilações que incomodavam alguns em The Witcher 2.

Sistema de escolhas continua respeitando o RPG americano

Quem conhece a franquia sabe que Geralt prefere trabalhar sozinho. As escolhas que o bruxo faz ditam vários ritmos diferentes para a jornada. Em um dos momentos da demo, por exemplo, um embriagado encara o protagonista e decide brigar gratuitamente. Você pode escolher entre deixá-lo inconsciente, acabar com ele ou levar o pobre coitado na conversa. Ah, magias também são permitidas aqui. Por que não deixá-lo quietinho contra a vontade dele?

Muitas sidequests, por exemplo, nascem a partir de escolhas nos diálogos. Na demo, o CEO guiou os jogadores a uma de suas sidequests favoritas. Uma mulher está parada numa cabana trancada próxima a um rio. Ela diz que algo “perturbador” está ocorrendo ali dentro. Alguém misterioso surge, conversa com os dois e diz que “quer de volta um pertence”. A mulher surta e Geralt deve controlar a situação.

Ao entrar na cabana, o bruxo se depara com sangue e runas, como se um ritual tivesse sido executado ali. Um cadáver está debruçado na parede e, sobre a mesa, há o tal objeto da mulher. “O que parece ser simples revela muito mais do que você imagina”, diz Iwinski sem dar mais spoilers. “Isso é essencialmente The Witcher”, explica.

Batalhas dramáticas – e o jogo não é fácil não

A demo incluiu batalhas dramáticas para os jogadores se deliciarem, uma delas com quase 10 minutos de duração. Nela, Geralt caça uma das criaturas já exibidas anteriormente, o Grifo, em que vários inimigos surgem ao lado do subchefe para atrapalhar a caçada.

A dificuldade, aliás, é um ponto de apoio da CD Projekt Red. A própria desenvolvedora aconselha: “se você for um gamer casual, jogue no Easy para não se frustrar. Viemos de um mercado mais hardcore, voltado ao jogador de PC. Em The Witcher 3, temos o melhor dos dois mundos, tanto a novatos quanto aos mais veteranos”, diz o CEO.

A dificuldade de outrora, na visão da equipe, seria “punitiva” para os padrões atuais. Portanto, o jogador tem à disposição as dificuldades Fácil, Normal e Difícil para se divertir à sua maneira.

Além do vídeo e das imagens que você confere acima, continue babando nas novas screenshots oficiais que separamos na galeria adiante:

O hype é nosso pastor e nada nos faltará. The Witcher 3: Wild Hunt será lançado no dia 19 de maio para PlayStation 4, Xbox One e PC.

GotY, alguém?

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.