Match Point: quando o bug é o seu carrasco

Match Point: quando o bug é o seu carrasco

Último Vídeo

Um gamer provavelmente está presenciando um bug neste exato momento. Você provavelmente já passou por isso, não é mesmo? Seja um erro dentro de Fallout 4, Grand Theft Auto V ou em League of Legends, ele não era previsto. Nem pelos desenvolvedores. Eles acontecem para lembrar que a computação não é perfeita, e seus próprios limites binários podem produzir eventos indesejáveis na telinha do seu PC.

Mas o que fazer quando um defeito desses acontece em uma partida de eSport que vale milhões de dólares?

No último final de semana, a Riot Games organizou a All-Star Los Angeles, a sua própria competição de estrelas no League of Legends. Foi exatamente na grande final do torneio de “um-contra-um” que um bug extremamente impactante aconteceu durante a disputa entre Henrik “Froggen” Hansen e Yiliang "Doublelift" Peng. Você confere no momento abaixo.

Aos que pouco entenderam o que aconteceu ali em cima, aqui vai uma rápida explicação. Froggen escolheu o feitiço “Marca”, que lança um projétil em linha reta e que, se acertar um alvo, pode ser ativado para “levar” o seu herói até ele. Foi a escolha do europeu para compensar a briga contra o campeão de longo alcance escolhido por Doublelift.

A morte chocante de Froggen aconteceu porque ele acertou e ativou a magia justamente quando o inimigo finalizava a habilidade de retorno para a base. Ou seja, ao invés de cancelar o “recall” de Doublelift (o que era previsto), o Olaf de Henrik foi direto para a base inimiga e morto em questão de microsegundos pela fonte.

A Riot Games havia detalhado, em algumas notas anteriores de atualização, que havia um período de 0,1 segundo em que nada poderia cancelar o retorno para a base. O problema é que ninguém previu o que aconteceria justamente com essa magia escolhida por Froggen neste modo específico do All Star. Mas o que torna tudo mais engraçado é que este erro não aconteceu somente uma vez, mas se repetiu logo no remake da partida.

Por sorte, este evento em específico era promocional e não tinha nenhum prêmio milionário em jogo. Mas isso poderia acontecer em uma partida séria. Principalmente porque casos similares aparecem ocasionalmente no gênero MOBA — inclusive algumas que já forçaram “rematches” entre as partes de uma disputa profissional.

Esta é uma situação muito complicada para se lidar dentro dos eSports. Em pleno The International 3 de DotA 2, com quase US$ 3 milhões em jogo, a Na’Vi utilizou de um bug entre Chen e Pudge que puxava os adversários diretamente para a base, matando-os com muita facilidade como no caso do League of Legends.

Isso mudaria até mesmo a escolha de “bans” dos adversários nas partidas seguintes, principalmente porque eles não gostariam de ver essa possibilidade justamente para o mais conhecido herói de Danil "Dendi" Ishutin.

Há diferentes tipos de situação, e cada uma delas deve ser lidada com responsabilidade pela organização. Bugs mais simples podem, inclusive, passar despercebidos, mas outros influenciam de diferentes formas no resultado.

Games de luta mais antigos, como Marvel vs. Capcom 2, eram lançados com vários erros. E, mesmo assim as competições aconteciam e desenvolviam o metagame em torno dos próprios bugs. Isso, claro, quando eles não eram abusivos.

Mas hoje podemos atualizar os jogos em questão de um dia e arrumar essas belezinhas. Então não há uma resposta fixa para o quanto os glitches poderão afetar o eSport. Tudo vai depender de inúmeras variáveis que tentarão ser justas para ambos os lados favorecidos e desfavorecidos pelo erro da máquina.

Este é um dos problemas que os “esportes da nova década” trazem juntamente com o crescimento da informática. Precisamos aprender a lidar com isso. Mas também esperamos que, pelo menos, as desenvolvedoras estejam atentas para amenizar ao máximo a nossa exposição à eles.

O Match Point é um espaço no TecMundo Games dedicado para discutir o eSport e os games competitivos diariamente, trazendo estratégias, curiosidades, campeonatos e jogadas inesquecíveis dos mais diversos títulos. 

Publicações da semana:

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.