Match Point: Overwatch será um eSport?
63
Compartilhamentos

Match Point: Overwatch será um eSport?

Último Vídeo

Responder o que é e o que não é eSport pode causar reações adversas na comunidade. A primeira preocupação é em definir com precisão, pois cada um conta os seus próprios preceitos e preconceitos sobre esse termo. Alguns apontam essa classificação apenas aos games que atingem o “status” de grandes competições, com campeonatos mundiais, ligas e temporadas profissionais por todo o mundo. Eu já discordo disso.

O termo eSport nasceu como uma abreviação para “electronic sports”; ou, do inglês, esportes eletrônicos. Enquanto essa definição soa controversa para muitos, foi assim que ela se estabeleceu. Foi dessa forma que todos conheceram os games competitivos desde os seus primórdios. E, assim como a classificação “esporte” é muito abrangente, a sua adaptação aos videogames também seguirá da mesma maneira.

Nessa lógica, se futevôlei pode ser considerado um esporte, Minecraft também pode ser considerado um eSport. Desde que, no meio de tudo isso, seja possível traçar regras que ditam uma competição justa entre as partes dessa disputa.

No meio de toda essa polêmica, há uma coisa muito específica que os esportes se diferenciam dos eSports: “as modalidades” em disputa podem ser alteradas com o tempo e estão fixadas à uma empresa responsável por elas. Estamos falando de videogames na atualidade, então todos os embargos de atualização e de produtos eletrônicos também são refletidos aqui. E isso envolve testes Beta e as expectativas do quanto um jogo em desenvolvimento pode ser competitivo.

O mais recente título da Blizzard, Overwatch, é um exemplo atual dessa reflexão. Ainda com lançamento previsto para 2016, o shooter da empresa entrou em fase de testes para todos ajudarem no desenvolvimento do game. No entanto, a empolgação foi tanta que a divisão de Battlefield 4 da fnatic, tricampeã mundial do jogo, largou a sua modalidade de sucesso para se dedicar exclusivamente à um título que ainda nem foi lançado.

E isso continua se repetindo cada vez mais entre as organizações. Enquanto os times europeus e norte-americanos não param de anunciar esquadrões para Overwatch, situações parecidas aconteceram no passado da própria Blizzard. Heroes of the Storm também demonstrou essa mesma situação, inclusive com um torneio promocional na BlizzCon 2014 quando o jogo ainda estava na fase Beta.

Comprar gelo contando com a previsão do dia ensolarado é uma aposta arriscada. Afinal, você ainda tem a probabilidade de entrar numa fria. O mesmo vale aqui, pois meses e mais meses de desenvolvimento estão pela frente para mudar o jogo. Sabemos que nada de crucial acontecerá durante esse período levando em conta a estabilidade da Blizzard, mas não sabemos o que está por vir.

Não estou dizendo que Overwatch não será um eSport. Com certeza ele será. Os próprios desenvolvedores estão empolgados com isso. Mas as expectativas podem ser diferentes da realidade. Basta lembrar dos jogos que você acompanhava com muita paixão no desenvolvimento e, no fim, eles simplesmente não conseguiam mais te prender depois do lançamento. Acontece.

Não me leve a mal: isso tampouco significa que Overwatch decepcionará. Muito pelo contrário. Já tive a oportunidade de testar ele duas vezes durante a BlizzCon e continuo me aventurando pela fase Beta. Sua jogabilidade é extremamente criativa, permitindo combinações e jogadas alucinantes em pouquíssimos minutos de partida. Mas ninguém ainda sabe como isso vai se desenvolver no âmbito competitivo.

Teremos jogadores interessados em participar de torneios? Teremos competições e patrocinadores dando espaço para o jogo em meio à tantos outros eSports? Teremos, também, público para isso? É claro que você pode esperar que a Blizzard dê todo o seu apoio e até organize finais mundiais durante a BlizzCon, mas tudo ainda é incerto.

Se alguma das respostas anteriores for negativa nos próximos meses, é bem provável que Overwatch não entre na “elite” dos eSports — o que é algo ruim só para os fãs dos games competitivos.

Já dizia o ditado: “dê tempo ao tempo”. Adiantar-se para ficar posicionado no início de uma rodada lhe dá uma vantagem estratégica fundamental. Mas, quando os portões se abrem, você nunca sabe o que pode vir do outro lado. Isso acontece a cada nova partida de Overwatch. E o mesmo vale para o eSport.

O Match Point é um espaço no TecMundo Games dedicado para discutir o eSport e os games competitivos diariamente, trazendo estratégias, curiosidades, campeonatos e jogadas inesquecíveis dos mais diversos títulos.  

Publicações da semana:

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.