Voxel

Mercado de games se une para auxiliar vítimas de terremoto no Japão

Último Vídeo

Img_normal

Após o devastador terremoto que atingiu o Japão no último dia 11 de março, uma série de empresas criaram iniciativas para auxiliar as vítimas do desastre. Uma das ideias que recebeu maior apoio dos fãs veio da Capcom, que reduziu para US$ 0,99 (cerca de R$ 1,60) o preço da versão de Street Fighter IV para iPhone.

A SEGA também está realizando promoções semelhantes, dedicando a renda de todos os games de Sonic nos portáteis da Apple para os esforços de reconstrução no país. A Grasshopper Manufacture divulgou, gratuitamente, três músicas em homenagem às vítimas do terremoto, sendo duas delas de Akira Yamaoka, compositor das trilhas sonoras de Silent Hill.

A Konami realizou uma campanha inédita, e levantou cerca de R$ 160 mil para a Cruz Vermelha, com cada centavo proveniente de doações de seus funcionários. Já a Level-5, desenvolvedora de Professor Layton, doou R$ 200 mil para as vítimas do terremoto no Japão.

Um DS original, autografado por quatro centrais na história da Nintendo, também está sendo leiloado pela proprietária, chamada Meagan Vanb. O aparelho conta com as assinaturas de Shigeru Miyamoto, Eiji Aonuma, um dos responsáveis pelos games de Zelda, Charles Martinet, dublador de Mario, Martin Leung, pianista do Video Games Live e o compositor Koji Kondo. Toda a renda será revertida para a Cruz Vermelha.

Para os japoneses não é necessário apenas dinheiro e mantimentos. Com a ideia de que apoio moral também é extremamente necessário, Hitoshi Ariga, autor e ilustrador de mangás de Mega Man, postou em seu blog pessoal diversas imagens do robozinho azul em preto e branco. A ideia é que crianças e fãs pintem os desenhos e os enviem novamente para o artista, que pretende fazer um mural com os trabalhos. Além disso, os melhores também receberão prêmios da coleção pessoal de Ariga.

A Capcom também enviou mensagens de apoio por meio de um wallpaper de Street Fighter IV que pode ser visto abaixo:

Você também pode ajudar

Mesmo empresas de fora do Japão estão se solidarizando com a tragédia. A Bungie, responsável por Halo, iniciou uma campanha de venda de pulseiras especiais com toda a renda revertida para os fundos de reconstrução. Além disso, todo o dinheiro proveniente de vendas na loja online da produtora também serão destinados às vítimas.

Jogadores do MMO Eve Online também pode fazer sua parte, doando PLEX, uma moeda interna do jogo. O recurso, que pode ser convertido em dinheiro de verdade, deve ser entregue a perfis da Cruz Vermelha presentes dentro do universo do título. O site IGN também pede a ajuda dos fãs, com doações em dinheiro durante uma maratona de 24 horas com 24 jogos japoneses.

Mais adiamentos

Com a diminuição no ritmo de trabalho das empresas japonesas, mais games foram adiados indefinidamente no território. Se unem à lista de atrasados os títulos Dragon Age: Origins, Steel Diver, Top Spin 4, Major League Baseball 2K11, Pro Powerful Golf e Inazuma Eleven Strikers.

Img_normalDuas atualizações planejadas para Final Fantasy XIV também tiveram de ser adiadas. A informação dói divulgada pelo produtor do game, Noaki Yoshida, que apesar de não precisar uma data, informou que os download sofrerão de uma a duas semanas de atraso. As correções seriam lançadas na última semana de março.

Nem tudo é tragédia

As vendas de jogos, porém, não abalaram as vendas de jogos no Japão, de acordo com números da consultoria Media Create. Dynasty Warriors 7 foi o jogo mais vendido entre os dias 7 e 13 de março, ficando em primeiro lugar no país. A seguir estão Dissidia Duodecim: Final Fantasy e Professor Layton and the Mask of Miracle.

Dois novos games também foram anunciados, dando indícios de que a situação já está se normalizando no país. O primeiro deles é Mon Hun Nikki: Poka-Poka Airu Mura G, spin-off de Monster Hunter ainda sem data de lançamento. Dragon Quest Heroes: Rocket Slime 3 também foi revelado pela Square Enix, com lançamento marcado para julho.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.