Voxel

Michel Ancel fala sobre o impacto que Beyond Good & Evil causou anos atrás

Último Vídeo

Img_normal

Quando Michel Ancel criou Beyond Good & Evil no ano de 2003, o game foi extremamente bem aceito pela crítica, mas não conseguiu repetir os mesmos bons resultados com os jogadores. Com números de vendas muito aquém do que se esperava, o que deveria ter sido uma trilogia completa acabou virando “volume único” até a segunda ordem...

Com o passar do tempo, soube-se que uma continuação da obra esteve em processo de desenvolvimento desde meados de 2006, e só agora ela está oficialmente sendo produzida para os consoles da próxima geração. E foi exatamente sobre essa lendária produção que ainda mexe com as cabeças dos gamers que se aprofundaram na jogatina que Michel Ancel falou nesta semana em uma entrevista publicada no Ubi Blog, o canal de comunicação oficial da Ubisoft.

Mesmo que o tema central da publicação fosse a promoção do lançamento Rayman Legends, Ancel aproveitou para relembrar o impacto causado por Beyond Good & Evil. “Quando nós começamos a trabalhar nesse projeto, a primeira coisa que passou pelas nossas cabeças foi que o que estávamos fazendo era diferente de tudo o que já havíamos feito anteriormente, pois é uma personagem feminina que toma as rédeas da condução da história”, conta o diretor.

“E ela não é como qualquer outra personagem genérica, que se parece com uma mulher, mas que age absolutamente como um homem. (...) Nós queríamos investir na criação dessa personagem e respeitá-la muito”, conclui Ancel. Quem tiver interesse em conferir na íntegra a entrevista do criador de Rayman sobre o novo jogo da franquia pode clicar aqui e dar uma olhada diretamente no blog da Ubi.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.