Voxel
03
Compartilhamentos

Mikami: estou fazendo The Evil Within porque é divertido assustar as pessoas

Último Vídeo


Semana passada, o site Eurogamer publicou uma entrevista com Shinji Mikami, um texto que contém algumas informações sobre as inspirações deste gênio do terror e alguns quesitos que podem fazer a diferença no game de terror em que ele está trabalhando: The Evil Within.

Para começo de conversa, Mikami fala que nunca reflete sobre sua influência na indústria dos jogos e que apenas trabalha em projetos que sejam de seu interesse. Além disso, ele comenta que não jogava video game quando criança, tampouco sonhava em desenvolver jogos (ele queria ser piloto de Fórmula 1).

No decorrer da conversa, o criador de Resident Evil relata que sua adolescência foi marcada por filmes de terror como “O Massacre da Serra Elétrica” e “A Morte do Demônio”. Essas foram algumas das inspirações para ele embarcar na indústria dos jogos de terror.

Img_normal
"Para mim, eu ficaria obcecado sobre o que eu poderia ter feito diferente se eu tivesse sido o proganista naquela situação. Eu sempre quis fazer coisas diferentes. É por isso que eu queria fazer jogos de terror: para dar a mim mesmo a oportunidade de brincar com minhas próprias escolhas nestas situações extremamente assustadoras", relata Mikami.

Voltando a base do terror

Quando questionado especificamente sobre seu retorno ao gênero de horror, Shinji Mikami relata que está voltando apenas porque gosta de assustar as pessoas, mas comenta que as melhorias gráficas vão possibilitar mostrar o medo de perto e que tais capacidades podem garantir animações mais convincentes dos personagens.

“Usado na hora certa e do jeito certo, o desapoderamento pode ser a ferramenta mais poderosa para o criador de um jogo de terror”, comenta Mikami. Tal afirmação é usada para contrastar com a problemática que, segundo o diretor de The Evil Within, existem nas atuais sequências do gênero.

Img_normal
Ele diz que ao criar continuações, os desenvolvedores apostam na ação para atrair mais público, mas que isso afasta o jogo do gênero de terror. Além disso, Shinji Mikami nota que é complicado manter o clima de medo e pavor, visto que o jogador já conhece os protagonistas, os inimigos e o jeito como o game é trabalhado.

Apesar de estar trabalhando com uma empresa de grande porte, Mikami diz estar desapontado com as limitações dos gêneros e os rumos fixos impostos pelas grandes desenvolvedoras.

“Eu quero ver uma propagação mais ampla dos jogos. Eu amo jogos independentes. Essas pessoas mais jovens com pequenos orçamentos e grandes ideias; talvez eles definam os novos gêneros? Jogos com grandes orçamentos devem vender muitas cópias, o que faz que novas ideias sejam muito arriscadas. E, às vezes, o ego do criador fica no caminho”.

Img_normal
“Eu acho que pequenos jogos, e criações pessoais: é aqui que encontraremos novas apostas para o futuro”, finaliza Shinji Mikami. E é importante comentar que apesar de não ser um título pequeno, The Evil Within é uma criação pessoal que pode nos surpreender. O game será lançado para PC, PlayStation 3, PlayStation 4, Xbox 360 e Xbox One em 2014.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.