Após mirar na Netflix, governo deve atacar setor de games com nova taxa
29
Compartilhamentos

Após mirar na Netflix, governo deve atacar setor de games com nova taxa

Último Vídeo

Depois de ter seus planos para cobrar uma nova taxa da Netflix e de suas concorrentes por cada título disponível em seus catálogos “revelados”, o governo federal por meio da Ancine (Agência Nacional do Cinema) também pretende atacar a indústria de games com a mesma arma: a Condecine.

A Condecine ou “Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional” é um imposto cobrado a cada cinco anos que já afeta canais de TV fechada e também deve ser levada para serviços de streaming, como noticiamos nesta semana aqui no TecMundo.

Será que o Estado vai abrir mão de uma taxa em favor da outra?

Essa taxa deve ser cobrada da indústria de games porque a Ancine entende que jogos eletrônicos são também conteúdo de audiovisual, estando, portanto, sob a sua alçada. É curioso notar, entretanto, que para fins comerciais, os games eletrônicos são classificados atualmente pelo governo como “jogos de azar” e, por isso, recebem alta taxação. Será que o Estado vai abrir mão de uma taxa em favor da outra já que não faz sentido colocar o mesmo produto sob duas categorias completamente diferentes?

Seja como for, ainda não parece existir detalhes definidos sobre como a taxa será cobrada em cima dos games. Para conteúdos que realmente fazem parte da categoria “audiovisual”, as empresas pagam ao governo R$ 7.291 por cada título estrangeiro — com duração superior a 50 min — que tiver no catálogo dos consumidores brasileiros. Fora isso, episódios de séries internacionais têm taxa extra de $R$ 1.822,81. Para cada título nacional, a cobrança fica em R$ 1.458,25 por filme e R$ 364,56 por episódio ou capítulo.

De olho no faturamento

Segundo a nota datada de dezembro do ano passado que pretende iniciar a consulta pública, “o jogo eletrônico é também um campo rico em produção cultural”. O texto ainda perpassa o fato de a indústria de jogos online ter registrado um grande crescimento de faturamento entre 2007 e 2015, pulando de US$ 8 bilhões para US$ 28 bilhões no período.

Não há uma certeza por enquanto sobre a possiblidade de o governo federal realmente começar a cobrar esse imposto das distribuidoras de jogos no Brasil, mas a Ancine relembra que o BNDES já começou a financiar empresas que desenvolvem jogos por aqui através do Programa de Desenvolvimento da Economia e da Cultura. 

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.