Uma das pérolas mais queridas da geração passada é, sem sombra de dúvidas, Spec Ops: The Line. Com escolhas morais que afetam o destino da jornada e um final impactante, o jogo de tiro em terceira pessoa não deve ganhar uma sequência. Ao menos é isso que dá a entender o escritor do jogo, Walt Williams, em resposta nada animadora no Twitter.

Em retorno a questionamento feito por um usuário que alimenta a mesma curiosidade que todos nós, o artista foi enfático: "Foi um desenvolvimento brutal, doloroso e todo mundo que trabalhou nisso precisaria comer vidro quebrado antes de fazer outro. E também não vendeu", desabafou.

Será que isso prega o caixão para a franquia, tão querida entre os jogadores? O insucesso comercial, de fato, é o ponto-chave para a descontinuidade de um produto – ainda que ele tenha um apelo especial entre os fãs mais ardorosos.

Ficamos na lamúria e na memória de Spec Ops: The Line, que envelheceu bem e ainda respira graças à sua ótima narrativa. Se jogado hoje, vai agradar. Garanto.