Voxel

Naughty Dog: A postura do estúdio pelos olhos dos presidentes

Último Vídeo

Em entrevista para o site GamerInformer, os presidentes da Naughty Dog responderam diversas perguntas sobre o sucesso da companhia e os desafios encontrados no desenvolvimento de cada título. Evan Wells e Christophe Balestra são as pessoas que estão no comando do estúdio que lança jogos candidatos a Game of the Year todos os anos.

Apesar de lançarem games de sucesso, como Uncharted e The Last of Us, durante a entrevista os presidentes falam muito sobre fracassos e incertezas durante o desenvolvimento. Abaixo, nós preparamos para você um resumo da entrevista com os melhores momentos, citações épicas e polêmicas provocantes:

Saindo do papel

Ao serem questionados sobre os desafios de tirar um game do papel, a resposta dos dois foi bem parecida: eles explicam que o processo é bem complicado e eles acabam jogando muita coisa fora. Porém, por já possuírem experiência suficiente, eles não são tão afetados quanto os estúdios iniciantes quando as coisas dão errado.

“Desenvolver The Last of Us , que era uma nova propriedade intelectual, foi bem diferente do que desenvolver Uncharted 4”, disse Wells. “Nós tínhamos as ferramentas, as técnicas e a engine para isso.”, acrescentou Balestra.

Começando o desenvolvimento

Respondendo à pergunta sobre quando eles começam um game, se referindo ao fato de eles possuírem todo o título escrito, Wells foi bem específico: “Nós nunca começamos do início.”

Balestra explicou que normalmente eles escolhem uma situação mais complicada para desenvolver primeiro visando provar que tudo seria possível. ”Nós começamos Uncharted 2 pela cena do trem porque causaria uma grande mudança na engine. Foi o primeiro nível que nós trabalhamos e o último a ser finalizado”.

Datas de lançamento

Wells respondeu com maestria quando questionado sobre como eles definem os prazos. Ele disse que o procedimento de criar um jogo é bem flexível e imprevisível, porém, mesmo que exista uma data, ele prefere não cumpri-la se o jogo não estiver pronto.

“Eu prefiro lançar um jogo atrasado a um jogo incompleto. Se você lançar um título atrasado, as pessoas vão se esquecer do atraso. Entretanto, se você lançar um game ruim, isso vai ser lembrado para sempre”, disparou Wells.

Em contrapartida, Balestra disse que o atraso não pode ser demais. “Se fosse possível, as pessoas ficariam caprichando no jogo para sempre. Não valeria a pena.”

Reta final

Durante a entrevista, os presidentes da companhia acabaram afirmando que, normalmente, o game não está excelente até os últimos dias de desenvolvimento. Ao escutar isso, o entrevistador pediu detalhes.

Balestra se adiantou e disse: “São longos dias. Você se sente cansado!” Também acrescentou que “algumas pessoas nem conseguem jogar o game porque eles ainda estão trabalhando. Quando está perto do final e finalmente começam a jogar, eles dizem: ‘Oh my God. Eu não acredito que nós fizemos o jogo!’ É ótimo. É um trabalho duro. Realmente duro”.

Patchs, patchs e mais patchs

Por fim, o entrevistador soltou uma polêmica pergunta: “Atualmente, nós podemos consertar tudo com patchs após o lançamento. Eu odeio escolher Assassin's Creed como exemplo, mas, sim, Assasssin's Creed. Essa conversa [sobre detalhes de última hora] seria diferente hoje em dia com a habilidade de criar patchs?”

Triunfante, Balestra respondeu que não. “É difícil porque as pessoas aqui estão dando tudo o que têm para que o game fique pronto. Se você chegar para eles e falar que precisam continuar depois do lançamento [...] eu acho que é emocionalmente difícil. Eles fizeram o trabalho deles. Nós preferimos lançar uma game pronto e que não precise de patch”.

Wells acrescentou: “Patches são para problemas graves. Nós não vamos começar a criá-los para corrigir coisas pequenas”. Balestra fechou com chave de ouro dizendo: “É legal quando uma pessoa consegue seu disco físico e precisa esperar para fazer o download de um patch? Baixando cerca de 20 GB ou algo parecido? Isso seria terrível. Essa não é a melhor experiência.”

-

Para conferir a entrevista completa e em inglês, é só acessar este link. Deixe abaixo seu comentário sobre a postura dos presidentes da companhia de sucesso.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.