Voxel

PlayStation 4: Sony responde ao apelo de fãs sobre o uso de DRMs

Último Vídeo

Fonte da imagem: Reprodução/Forbes

Apesar de se configurar como rumor, a comunidade gamer parece querer evitar a todo custo a implementação da temida DRM. Há dois dias, inclusive, um longo post no fórum NeoGAF colocou em discussão o seguinte tema: a política de DRM (tipo de gerenciamento de direitos autorais, neste caso, sobre a distribuição e venda de games) não deve ser adotada pela Sony. Que tal fazer com que a equipe de desenvolvimento do PlayStation 4 ouça o que os fãs da companhia japonesa têm a dizer?

Eles estão ouvindo...

E assim teve início as campanhas #PS4NoDRM (PS4 sem DRM, em tradução livre) e #PS4USEDGAMES (jogos usados de PS4) via Twitter. Até a data de hoje (28), três executivos da Sony já publicaram respostas à agitação provocada via rede social. John Koller, chefe de campanhas de marketing de hardware, publicou ontem em seu perfil esta mensagem: “É por isso que amo os fãs do PlayStation – ‘é uma paixão que transborda’”.

Fonte da imagem: Divulgação/Twitter

Scott Rohde, um dos desenvolvedores de software do novo console da Sony e responsável pela coordenação dos estúdios da América, disse também por meio do Twitter que “ama os fãs apaixonados do PlayStation!!!”. Nick Accordino, produtor da SCEA, em declaração emocionada, escreveu que está “’humilhado’ pela manifestação de fãs apaixonados do PlayStation 4 que querem falar conosco diretamente. Por favor, saibam que nós ouvimos vocês”.

Fonte da imagem: Divulgação/Twitter

Até o momento, nenhum pronunciamento oficial

Em fevereiro, durante o evento PlayStation Meeting, a Sony afirmou que o seu novo console não iria apresentar bloqueio a jogos usados, lembra-se? Pelo menos na época foi essa a informação transmitida pelo presidente da Sony Worldwide Studios. “Jogos usados poderão ser utilizados no PS4”, afirmou Shuhei Yoshida.

Todavia, até o momento, nenhum pronunciamento oficial acerca de toda movimentação criada via Twitter foi publicado pelo mandachuva da empresa japonesa.

Como participar da campanha?

Uma lista que traz os nomes de pessoas responsáveis por ditar os próximos passos do novo console da Sony foi divulgada pelo fórum NeoGAF. Logo, é possível participar do movimento que pede o veto à política de DRM via Twitter. Mas atenção: se você decidir se manifestar, envie sua mensagem de forma adequada.

O grande favor pedido aos participantes é ter respeito ao fazer parte da campanha. “Eles [contatos da Sony] não vão gostar de terminar a leitura de um tweet escrito todo ‘com o Caps Lock ativado’ que os mal trate”, diz uma das instruções. Feitas essas considerações, confira a relação de nomes e cargos a seguir, bem como os respectivos endereços de conta de cada um deles, e envie seu tweet (em inglês, naturalmente):

  • Shuhei Yoshida, presidente mundial dos estudios da Sony: @yosp;
  • John Koller, chefe de campanhas de marketing de hardware: @jpkoller;
  • Guy Longworth, vice-presidente senior de marketing do PlayStation; @luckylongworth;
  • Scott Rohde, responsável pela coordenação dos estúdios da América: @rohdescott;
  • Adam Boyes, publicador e desenvolvedor de relações da Sony: @amboyes;
  • Shahid Kamal Ahmad, participle de relaões internacionais (Europa): @shahidkamal;
  • Nick Accordino, produtor da SCEA ISD: @nikoro; e
  • Phil Rosenberg, executivo da SCEA e correspondente direto de Tretton: @philrosenberg (ver seguidores).

Os hashtags usados são #PS4NoDRM e #PS4UsedGames – clique sobre os respectivos links para conferir as páginas das campanhas.

Fonte da imagem: Reprodução/Lib.Umn

O que começou como mera especulação acabou ganhando proporções quase espetaculares. E, a julgar pelo rápido feedback por parte dos grandes nomes da Sony, a reivindicação está sendo, ao menos, ouvida pelos executivos da companhia. E você, o que acha das políticas de DRM? Vai participar da campanha via Twitter?

Fontes: #PS4NoDRM#PS4UsedGames, Twitter (Jhon Koller), Twitter (Scott Rhode), EuroGamer e VG24/7.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.