Voxel

Presidente da Eidos acredita que Nintendo deveria lançar jogos para celular

Último Vídeo

Fonte da imagem: Reprodução/Forbes“Uma geração interia não conhecerá as franquias da Nintendo se a companhia não levar suas séries para outras plataformas”, afirmou o presidente da Eidos, Ian Livingstone, durante uma palestra no Bristol Game Hub – evento voltado para desenvolvedores de jogos.

De acordo com Livingstone, os consumidores (em especial aqueles que não são tão ligados aos video games) tem preferido gastar dinheiro com jogos de celular e de tablets. Apesar desse mercado crescente, a “Big N” ainda resiste a investir no setor o que para o presidente da Eidos é um erro.

Os investidores da Nintendo já pediram antes para que a companhia entrasse no mercado de smartphones, mas a empresa sempre rejeitou a oferta. Durante uma entrevista em setembro de 2011, o CEO da companhia, Satoru Iwata, afirmou que o desenvolvimento de jogos da companhia para smartphones não estava sendo levado em consideração.

Wii U sustentado por uma única companhia

Recentemente, o analista de Michael Pachter sugeriu que, caso a popularidade do console da Nintendo não melhore até o final do ano, o Wii U pode acabar se tornando um console sustentado unicamente pela Nintendo.

Para defender a sua hipótese, o analista citou o caso da Electronic Arts, que recentemente anunciou que não estava desenvolvendo jogos para a plataforma da Nintendo. Segundo Pachter, caso outras companhias sigam o exemplo, a Nintendo teria de reduzir o preço do console ou oferecer jogos populares para torná-lo competitivo.

É interessante lembrar que isso ainda está longe de acontecer. Além de games da própria Nintendo, o Wii U deve receber, em breve, jogos como The Wonderful 101 e Bayonetta 2 – desenvolvidos pela Platinum Games exclusivamente para o console– e títulos multiplataforma da Warner Bros. e da Ubisoft (como Batman: Arkham Origins, Assassin’s Creed IV: Black Flag, Watchdogs e Watchdogs).

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.