Voxel

Prévia: Destiny vai focar na ação, no companheirismo e na ação frenética!

Último Vídeo

Destiny é o mais novo título da Bungie (que é nada menos do que a desenvolvedora de uma “tal franquia” chamada Halo). Aliás, esse é o primeiro game da companhia depois de sua icônica série, sendo que a Activision está assumindo as vezes de publicadora, o que nos permite começar a sentir ansiedade sobre o que está por vir antes mesmo de termos qualquer referência sobre o conteúdo da obra.

Mas é claro que nós temos muitas informações sobre o que é Destiny, incluindo o fato de que os gamers devem assumir a persona de um dos inúmeros guardiões da última cidade habitável (e relativamente segura) de um planeta Terra pós-apocalíptico. Sua missão deve ser contra-atacar as investidas de misteriosos alienígenas e, se a situação parecer favorável, tentar recuperar algum dos territórios perdidos da humanidade.

Além disso, já sabemos que a Bungie pretende lançar um vídeo inédito de jogabilidade durante a Electronic Entertainment Expo deste ano (E3 2014, que acontece no próximo dia 10 de junho — estamos quase lá!). Sabemos também que a desenvolvedora conta com profissionais fãs da família Souls (Demon’s Souls, Dark Souls e Dark Souls 2), o que deve refletir diretamente sobre a produção de tiro em primeira pessoa em dois quesitos principais.

O primeiro deles é a metodologia de “não entregar tudo de mão beijada logo de cara”, enquanto o segundo é a relação de mutualismo existente na parceria multiplayer nos três jogos da From Software. Por isso é que a companhia tem falado tanto nesse quesito, discutindo se haverá obrigatoriedade de conjunto em alguma missão ou se vai ser possível experimentar tudo por si só.

O que mais já contaram sobre o game?

Desde o início deste ano, a Bungie tem liberado homeopaticamente algumas novidades sobre Destiny, incluindo dados sobre as três classes que poderão ser escolhidas pelos gamers e sobre a estrutura de enredo — que deve se assemelhar bastante com o que foi entregue em Halo (pois “o fruto não pode cair longe do pé”. Ou pode?).

Sendo assim, vamos aproveitar para elencar mais características interessantes do título que está por vir:

  • A evolução dos personagens será feita de uma maneira bastante característica de RPGs, por meio de uma árvore de updates.
  • Como na maioria dos games modernos, será possível personalizar a aparência dos protagonistas, dos veículos e de armamentos.
  • A Bungie afirma que Destiny não é exatamente um MMO, mas com certeza os fãs desse gênero vão adorar o formato do título.
  • Os gamers vão transitar entre planetas, luas, satélites, asteroides e outras locações do Sistema Solar dentro das batalhas, o que indica que a exploração desses lugares será um ponto muito importante para se dar bem nos confrontos.
  • O diretor técnico do game, Chris Bucher, afirma que a jogatina deve se pautar em descobrir o que aconteceu na Lua e em outros lugares, o que você deve conseguir fazer interagindo com diferentes tipos de espécies alienígenas. Em outras palavras, o jogo terá uma história consistente, que deve ser concluída com um belo final.
  • Desde já, a companhia pretende deixar claro que ela vai disponibilizar novos mapas e missões adicionais para manter em alta o interesse dos gamers.

Vejamos “quem” somos e “onde” estaremos

  • Mais de uma campanha poderá ser iniciada simultaneamente, pois o jogo contará com diferentes slots. Isso serve para estimular os gamers a assumirem mais do que apenas um papel na história.
  • Cada uma dessas classes contará com habilidades específicas, mas isso não deve impedir ninguém de evoluir os quesitos que achar mais interessantes.
  • Uma habilidade adicional chamada Focus deve ser altamente importante para o desempenho dos personagens, sendo que ela poderá ser evoluída independentemente até o nível 20, gerando diferentes bônus e desbloqueando armamentos.

A jogatina deve apresentar quatro raças diferentes, divididas em The Fallen (piratas espaciais, que descendem de espécies nobres), The Cabal (uma raça militar, baseada em relações industriais e aberta a corrupção), Vex (uma raça de máquinas que se locomovem pelo espaço-tempo através de portais espaciais) e The Hive (a mais antiga das raças, que pode causar grandes danos a quem os desafia).

Já conhecemos as seguintes locações dentro da jogatina: Old Russia (mais precisamente em uma locação baseada nas ruínas de uma ponte Cosmodrome espacial, situada no Cazaquistão); Venus (planeta que funcionou por muito tempo como base de estudos da humanidade e agora se tornou uma mortal selva); Marte (uma antiga metrópole espacial, o planeta vermelho agora serve de cenário para o confronto entre membros das raças Vex e Cabal).

Por fim, temos The Tower (que é o centro de todos os guardiões da Terra) e a Lua da Terra (que foi uma das mais belas colônias terrestres, mas agora está infestada por Hives).

Boinas pretas do espaço: entre para matar e nunca para morrer

Destiny deve contar com uma história principal, mas a jogatina será permeada por muitas missões paralelas. Essas sidequests serão focadas na jogatina cooperativa entre os gamers, o que, segundo a desenvolvedora disse em uma reportagem da Game Informer, deve ser selecionado por meio de um sistema bastante simples.

Ainda de acordo com informações da própria Bungie, todos os jogadores devem estar presentes dentro de um mesmo mundo e não divididos entre vários servidores como acontece nos MMOs convencionais. Assim, a própria inteligência do game deve unir pequenas equipes, baseando-se na proximidade das localizações de cada um deles dentro dos mapas. Nesse sentido, algumas áreas foram construídas para comportar uma equipe de três membros jogando simultaneamente, sem que ninguém possa interromper o conjunto.

Por outro lado, há locais em que isso será praticamente impossível, devido ao elevado número de participantes ao mesmo tempo. Mas é bom lembrar que o multiplayer nem sempre é cooperativo (ele também pode ser competitivo), o que torna essa segunda opção muito mais interessante.

Vale mencionar que os ambientes devem sofrer alterações, tais como destruição por projéteis e até mesmo mudanças sazonais (entre estações ou períodos de dia e noite), mas isso ainda não foi exatamente confirmado pela desenvolvedora.

Fora isso, também é importante salientar que os jogadores que estão acostumados com os títulos da franquia Halo devem se sentir em casa com a mecânica de Destiny, o que inclui o posicionamento e as funções dos botões para controlar seu personagem. Enfim, parece que a Bungie realmente deu um jeitinho de levar sua experiência com Master Chief e companhia para fora dos domínios da Microsoft.

Quando?

Destiny tem previsão de lançamento ainda em 2014, mais precisamente na primeira quinzena de setembro, com versões para os consoles da nova geração (PlayStation 4 e Xbox One), PlayStation 3 e Xbox 360.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.