Voxel
27
Compartilhamentos

Prévia — O escolhido em busca do equilíbrio em Dragon Age: Inquisition

Último Vídeo
Reprodução/YouTubeFonte: Reprodução/YouTube

Na última terça-feira (22), a BioWare divulgou um trailer de seu próximo game, Dragon Age: Inquisition, e eu confesso que fiquei bastante impressionado. Apesar de curtir temáticas baseadas em literatura fantástica, nunca me interessei muito por esta série que é apontada como a sucessora espiritual de Baldur’s Gate, mas isso acabou de mudar.

As imagens e o pouco da trama revelados no novo vídeo, que — vá lá — pode ter um pouco do clichê de demônios querendo estragar tudo e o mundo à beira do caos ávido por um herói, deram uma imersão bastante interessante ao espectador. Em breve, fãs do universo de J.R.R. Tolkien e de Dungeons & Dragons terão um novo título épico para gastar horas e horas.

Veículos gringos especializados têm conversado com executivos da BioWare e com pessoas da equipe de desenvolvimento do game, e as informações que surgem apenas incrementam a expectativa para a chegada de mais um capítulo da série Dragon Age.

Um mundo (aberto) de possibilidades

Hardwares potentes e engines bem trabalhadas resultam cada vez mais em jogos que usam e abusam das possibilidades de um mundo aberto — e em Dragon Age: Inquisition não deve ser diferente.  Com um ambiente de jogo estruturado dessa forma, vem também a chance de oferecer cenários mais amplos e variados.

O diretor de criação do título, Mike Laidlaw, falou sobre isso com o Polygon, revelando que o tamanho e a variedade do mundo visto em Inquisition são inéditos na franquia. Locais como campos abertos e verdes, bem como montes congelados e ruínas élficas, dão o indício de que haverá muito a explorar no jogo.

As suas ações também vão influenciar na forma como o mundo evolui durante a jogatina. “Há uma série de não somente decisões, mas ações, ações físicas, que o jogador pode tomar e que terão pequenos impactos no mundo. Há centenas e centenas dessas”, garante o produtor Cameron Lee ao CVG.

“Então há as mudanças grandes, épicas e envolventes, como se você decidir trazer os magos em vez dos Templários”, informa Lee, destacando ainda que tal decisão, por exemplo, causaria um impacto considerável no mundo de jogo.

Sem perder o fio da meada

Jogos de mundo aberto podem encontrar problemas em manter a estrutura da narrativa, que corre o risco de ser diluída diante das inúmeras possibilidades que o cenário oferece. A BioWare garante ter tomado bastante cuidado para não permitir que isso aconteça em Dragon Age: Inquisition.

“Seguidores e personagens com personalidades fortes são umas das características mais fortes da BioWare. Nós queremos manter isso”, garante Darrah. E a Inquisição tem papel fundamental na manutenção desse estilo.

“Quando está nas partes de mundo aberto do jogo, você incrementa a reputação da Inquisição. Você está se reunindo com agentes e encontrando pequenas missões, que são mais tradicionais para o que fazemos, mas sua liberdade é realmente grande”, prossegue.

Nesse sentido, chega um ponto em que a própria estrutura da organização leva você adiante na história. “Você pode explorar, coletar materiais e criar equipamentos, explorar as regiões e encontrar sua sabedoria, mas, quando está preparado para seguir adiante na história, a história está lá, contanto que a sua Inquisição seja forte o suficiente para progredir”, conta o produtor.

No comando e na linha de frente

Um dos pontos mais entusiasmantes do game é o fato de você estar no comando de uma grande organização. Como o mundo ruiu e as principais lideranças foram assassinadas, restou a você ocupar a lacuna do poder e guiar o grupo recém-formado e chamado de Inquisição.

“O fardo da liderança é um dos temas do jogo”, revela o produtor-executivo Mark Darrah em entrevista ao Gamespot. “É a primeira vez em que realmente colocamos você em uma posição de liderança. Nós já colocamos você em algum tipo de posição de comando antes, mas não em um lugar do qual você de fato controla uma organização que vai e faz coisas”, prossegue Darrah.

Mas as possibilidades da liderança levantam algumas dúvidas, especialmente sobre o que de fato pode ser ordenado para as pessoas sob o seu comando. A isso, Darrah responde que “você continua na ponta da lança”.

“Você é aquele que faz as coisas perigosas. [O comando] é mais sobre usar o poder da Inquisição para fazer coisas que estão além da capacidade de uma única pessoa. Então, por exemplo, você pode encontrar uma ponte quebrada e usar a Inquisição para realizar uma operação para consertar a ponte”, conta o produtor.

Em suma, a função de líder e um verdadeiro exército ao seu dispor acabam servindo mais para funções extras, nas quais esse tipo de coisa pode ter um peso significativo — como a diplomacia. No final de tudo, você continua segurando a espada e indo para a linha de frente no campo de batalha.

Em grupo e com raciocínio

Durante as batalhas em Dragon Age: Inquisition, você não estará sozinho, como revela Darrah. “[Em um combate] você tem um grupo de quatro pessoas, o mesmo dos jogos anteriores de Dragon Age. Estamos trazendo novamente a câmera tática de Dragon Age: Origins, mas que não havia em Dragon Age 2”, relata o produtor, ressaltando a retomada de mecânica de jogo facilitada para duelos em grupo.

Enquanto a batalha se desenrola, você pode assumir o papel de outro membro do grupo ou ordenar a todos que se escondam, transformando as disputas em verdadeiros duelos táticos.

“Cada combate é projetado para ser um pequeno quebra-cabeças, uma coisinha que você deve imaginar como vai abordar — e há várias formas de abordar”, conta Darrah. “Nós queremos que você pense sobre o que está fazendo, considere que ações pode tomar e então tenha o poder e o controle necessários para isso”, finaliza.

A relação do seu grupo com a sociedade ao redor dele é de constante interação, ou seja, ele pode expandir conforme você joga. Isso acontece por vários motivos, como resultado dos feitos alcançados por você ou então por convencimento e diplomacia. Com isso, você pode trazer para a Inquisição membros que vão render acesso a algum recurso necessário ou que vão adicionar força física a ele.

Dragon Age: Inquisition será lançado em 7 de outubro deste ano para PlayStation 3, Xbox 360, Xbox One, PlayStation 4 e PC.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.