Voxel

Prévia – Hohokum é o jogo perfeito para quem anda muito estressado

Último Vídeo

Como já dissemos anteriormente na prévia de Contrast, o lançamento do PS4 na América do Norte será decorado com uma quantia relativamente grande de títulos ofuscados por franquias blockbusters, como Killzone: Shadow Fall e Watch Dogs. Hohokum, por exemplo, foi um dos games com menor procura entre os disponíveis hoje (27) no estande da Sony durante a Brasil Game Show 2013.

Desenvolvido pela desconhecida Honeyslug, o jogo deverá chegar às gôndolas estadunidenses no dia 15 de novembro, também com versões para PS3 e PS Vita. A grosso modo, seu único objetivo em Hohokum é relaxar. Exatamente: o título não apresenta inimigos, obstáculos, cronômetros, missões ou qualquer outra coisa que geralmente nos faz querer prosseguir em um jogo.

No controle de uma estranha e colorida serpente alada, você está livre para explorar alguns cenários psicodélicos da maneira que achar mais conveniente. Cada uma das fases possui alguns eventos que podem ser ativados com o simples contato de nosso protagonista alongado, como algumas árvores vivas que “despertam” ao serem balançadas ou alguns vagalumes que se acendem ao serem incomodados. Vale observar, contudo, que pouco importa a ordem com que você ativa esses eventos.

Relaxe, apenas relaxe...

Por mais incrível que pareça, Hohokum é um jogo bastante divertido para quem tem paciência e procura um pouco de tranquilidade. Os cenários são bem minimalistas e psicodélicos, misturando cores fortes e apresentando em detalhes um mundo fantástico recoberto de uma vegetação peculiar.

Todas as plantas, flores e criaturas que você encontra no game são interativas. Folhas caem, árvores giram, borboletas voam, pássaros correm e algumas pessoas resolvem pegar carona na serpente voadora. Claro, menos quando elas estão soltando pipa no alto de alguma montanha. Ah, e às vezes você precisa ajuda-las nesta tarefa também, levando-as até os montes mais altos e enfeitando os céus com belas criaturas de papel.

A essa altura do campeonato, você já deve ter percebido que Hohokum não faz o menor sentido. Mas a ideia (que funciona muito bem) é justamente essa: um jogo doido que dispensa explicações sobre alguns acontecimentos malucos e deixa a história completamente de lado. Você não precisa disso. Você só precisa relaxar.

Simples e tranquilo em todos os quesitos

Todo o minimalismo gráfico e conceitual de Hohokum não seria tão agradável caso os controles não seguissem a mesma simplicidade. Felizmente, eles seguem. Os únicos botões utilizados na aventura são o X (para aumentar a velocidade do personagem) e o analógico esquerdo (controlar a direção do voo). Caso queira, você pode dispensar o direcional e se movimentar usando os gatilhos L1 (virar para a esquerda) e R1 (virar para a direita).

Na demonstração que testamos, foi possível explorar dois cenários diferentes, um de dia e outro de noite. Cada um com suas próprias características e belezas peculiares. Não importa o tempo que você leva para achar os segredos escondidos no ambiente: o simples ato de apreciar tudo o que ocorre em sua volta enquanto voa de forma livre já o suficiente para você se divertir com o jogo.

Hohokum é mais um título do tipo “ame ou odeie”. Se você gosta de queimar neurônios com puzzles realmente cabulosos ou entrar em combates repletos de ação, é melhor ficar longe do game. Agora, se você prefere de jogar algo somente pelo seu valor artístico e pelas experiências sensoriais que o próprio oferece, pode ir colocando esta produção da Honeyslug na sua lista de compras.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.