Prévia – Kholat será um horripilante Survival Horror baseado em fatos reais

Prévia – Kholat será um horripilante Survival Horror baseado em fatos reais

Último Vídeo

Horripilante. Essa pode ser uma das palavras que definem o vindouro Kholat, game de Survival Horror que recentemente foi aprovado no Greenlight do Steam e é baseado em fatos reais, em que nove caminhantes foram brutalmente assassinados em uma montanha da Rússia, a Kholat Syakh, que dá nome ao título. A desenvolvedora responsável é a IMGN.PRO, um estúdio independente.

O fato ocorreu no dia 2 de fevereiro de 1959, em que nove caminhantes a céu aberto – pessoas que fazem andanças em trilhas por locais geralmente inóspitos – desapareceram na costa leste da montanha Kholat, localizada na Rússia.

Os corpos dos aventureiros foram encontrados pela polícia dias depois e estavam com ossos fraturados, costelas quebradas e outros diagnósticos bastante assustadores – o pior deles foi uma vítima que estava sem metade do rosto. Os corpos estavam soterrados em condições de -30°C, fator que acrescentou ainda mais mistério às extraordinárias circunstâncias da morte dos caminhantes.

Caso sem resolução

A investigação do caso permanece em aberto até hoje, sem resolução. O líder do grupo era o jovem Igor Dyatlov. Ninguém sabe e possivelmente nunca saberá o que rolou na fria montanha de Kholat, e é exatamente isso que a IMGN.PRO está usando como base para criar seu Survival Horror: o mistério.

Trata-se de um título de exploração inspirado em games como Dear Esther, Amnesia: The Dark Descent e até mesmo o claustrofóbico Outlast, recém-lançado para PS4 e PC. “Estamos discutindo há muito tempo a ideia de criar uma história de horror que seria diferente. Consideramos vários conceitos, desde os experimentais e psicodélicos até aqueles mais clássicos. Demos um grande passo adiante depois que jogamos Dear Esther. Essa produção mostrou para nós como alguém pode construir a tensão de um jogo incrivelmente bem apenas utilizando a narrativa”, contou Bartos Moskala, um dos fundadores do estúdio independente IMGN.PRO.

Bebendo da fonte de Outlast, Amnesia e mais

Sobre uma possível comparação com games do gênero, como Outlast e Amnesia, Bartos foi enfático. “A ideia original de nosso jogo era contar uma história de um pai que passou por uma experiência traumatizante. Portanto, o atual estado do projeto é bem diferente da concepção original. Mas isso não muda o fato de termos aplicado, em Kholat, muitas coisas concebidas anteriormente. Outlast e Amnesia são jogos de horror fantásticos. Na atual fase de Kholat, não queremos ser comparados a eles, modéstia à parte. Se tivéssemos que comparar o processo de criação do game até a etapa de colocá-lo nas prateleiras, esses jogos já teriam ganho sua casquinha”, explicou.

Lukasz Kubiak é o outro co-fundador do estúdio IMGN.PRO.  Ele disse que, junto a Bartos, está desenvolvendo um game que traga “elementos de ansiedade” aos jogadores ao abordar um caso baseado em fatos reais e que não tem resolução – o que deixa a atmosfera ainda mais assustadora e, segundo Kubiak, “provoca pensamentos perturbadores”.

Por falar em atmosfera, esse é o elemento mais importante para criar tensão e medo durante a jogatina, na opinião de Bartos. Ele até utilizou o filme “Bruxa de Blair” como exemplo. “A atmosfera é o elemento mais importante para nós. A ansiedade que você pode sentir no ar, a ameaça que você não vê... Mas sente que há algo perto de você. Os sentimentos mais assustadores aparecem quando você sabe que algo está atrás de você, mas não há nada ao olhar para trás. Você espera por um confronto que talvez nunca aconteça. Essa mecânica foi apresentada de maneira fantástica no filme ‘Bruxa de Blair’”, ponderou o criador, cuja opinião foi endossada por seu companheiro Kubiak.

“Exatamente. Mas, para assustar alguém dessa maneira, é preciso ter uma história que seja muito mais aterrorizante. É preciso ter algo que exerça uma influência na mente de alguém. É importante construir a tensão ao longo de todo o jogo”, declarou o desenvolvedor.

Explorando uma montanha tenebrosa e real com belas influências – inclusive Silent Hill

A engine utilizada em Kholat vai “estimular” o ambiente para manter um alto grau de tensão em uma determinada situação. As circunstâncias não vão ocorrer de forma “automatizada” ou robótica, e as variações na atmosfera vão interferir diretamente na experiência do jogador.

O que a equipe quer fazer no game é aguçar a sensação de pavor e apreensão detectada em títulos como Amnesia e os primeiros da série Silent Hill. Trata-se de um formato pouco usual hoje em dia, em que a ação é preconizada em detrimento do medo. Outlast, por exemplo, animou os jogadores justamente por trazer de volta o horror clássico.

“Nosso jogo será muito mais focado no aspecto psicológico da tensão. O game será construído em cima desse sentimento de que algo não está certo, e que a resposta está sempre um passo à frente”, acrescentou Kubiak.

O jogador terá de fazer muitas andanças enquanto explora a inóspita montanha de Kholat e estuda as misteriosas circunstâncias do desaparecimento dos caminhantes. Assim como em Outlast, não há combate aqui. “A exploração é o principal elemento da jogabilidade. Não queremos guiar ou conduzir os jogadores, pois pensamos que eles são inteligentes e deixarão que a curiosidade leve-os adiante. Não há elementos de combate no jogo. Em se tratando de dinamismo, haverá alguns momentos que vão acelerar a trama do game”, explicou Bartos.

É coisa séria. A intenção é provocar desconforto. Lembrem-se: é uma história real e de final trágico

Se o que você leu até aqui já o fez comprar pacotes de fraldas Pampers, prepare o bolso para mais, pois Bartos explicou que a investigação “até hoje está em aberto” e que isso será transposto no jogo, atiçando o senso de detetive de cada jogador. “O desaparecimento foi provocado por uma atividade de uma força desconhecida. Isso fará com que os jogadores vivenciem coisas inexplicáveis o tempo todo. Eles vão esperar que uma ameaça se manifeste, mas nada acontece. Cabe a cada um ver até onde o medo vai”, disse o criador.

Na contramão dos jogos atuais, tidos como “didáticos” por orientarem cada passo do jogador, Kholat não colocará qualquer indicativo e deixará nas mãos do gamer o fator exploração – que é muito importante. “Incentivamos a exploração pelo mundo de jogo de maneira cautelosa, uma vez que haverá muitas informações adicionais escondidas por ali. Esses dados vão expandir o background da trama e aprofundar a história, que vai misturar fatos reais com a ficção que criamos”, revelou Bartos.

Ou seja, a exploração será realmente um elemento de suma importância para a compreensão daquela tenebrosa montanha da Rússia, colocando o jogador na pele de um verdadeiro investigador. "Esperamos que Kholat seja similar a títulos como Outlast e Amnesia em se tratando de medo. Nossa maior inspiração provavelmente foi Dear Esther, que nos mostrou como construir tensão por meio de soluções simples. Slender é outro título que também merece ser mencionado porque atingiu os jogadores ao utilizar métodos minimalistas para dar medo”, completou o desenvolvedor.

O mercado carece de títulos assim. Parece que uma nova onda de jogos de horror está vindo – e de forma avassaladora. Vamos torcer para que a filosofia seja mantida, pois os novos hardwares podem usar e abusar do terror para trazer essa estranha sensação de prazer que o medo gera em todos nós.

Kholat está em desenvolvimento e, por enquanto, confirmado apenas no PC, mas a equipe da IMGN.PRO já manifestou o desejo de levar o game aos consoles também. Não há previsão de lançamento ainda. O BJ vai monitorar de perto a empreitada.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.