Voxel

Semana TCG: o que estamos jogando (08/04/2013)

Último Vídeo

Img_normal

Nova segunda-feira no mundo dos games e mais uma vez chega a hora de apresentarmos o quadro "O que estamos jogando". Talvez você pense que seja impossível que os títulos prestigiados por nós mudem a cada semana, mas acredite: a equipe BJ é muito grande, e nós simplesmente adoramos jogos eletrônicos.

Sem mais delongas, confira o que estamos jogando. Lembramos que aqui constam apenas os games que MAIS estamos jogando, embora possamos estar experimentando outros títulos simultaneamente. Além disso, aparecem neste quadro somente alguns dos integrantes da equipe BJ:

E agora é oficial: Bioshock Infinite é o melhor game que joguei em 2013 e também o FPS com a melhor história que já tive o prazer de me debruçar. Teoria das cordas, universos paralelos e um final simplesmente espetacular. Nota 100 merecidíssima. Um dos poucos jogos que você finaliza querendo iniciar a campanha de novo.

Depois de muito tempo encostado na minha estante, resolvi voltar para minha jornada de coletar todas as estrelas. Não há como negar: o game está com uma jogabilidade e gráficos impecáveis, conseguindo melhorar quase tudo em que Mario Galaxy 1 não foi perfeito.

É uma pena que a história de Mario Galaxy 2 é completamente banal. Depois de ver seu antecessor, com uma trama simples, mas bela, fica aquela decepção de saber que o game podia ser muito mais do que ele já é.

Gosto muito da franquia Assassin's Creed, sendo que já li os dois primeiros livros e havia jogado um pouco do segundo título. Recentemente, ganhei o último game da série. Aproveitei o embalo, e no impulso, comprei a trilogia de Ezio — que inclui o Assassin's Creed 2, o Brotherhood e o Revelations. Faltava o título inicial da história do clã dos assassinos, então tomei vergonha na cara e fui até uma locadora para alugá-lo. Passei o fim de semana comandando Altair nas missões e matanças — um tanto quanto repetitivas, na minha opinião. Mas valeu a pena para conhecer mais de perto o início da jornada da linhagem de ancestrais de Desmond.

Não é a primeira vez que estou jogando esse título que é considerado por muitos como o melhor Zelda de todos. Quando o vi, originalmente no Nintendo 64, há cerca de 14 anos atrás, fiquei impressionado. Quando foi relançado para o 3DS, não tive outra escolha, senão comprá-lo.

O fato é que eu assisti ao centésimo gameplay especial do BJ (que homenageou esse exato game) e não consegui me conter. Voltei a jogar e só consigo falar dos pontos positivos. Se você tem alguma dúvida sobre o efeito 3D do portátil, é justamente em Ocarina of Time que vai se convencer de que ele faz uma boa diferença. Fizeram um trabalho excelente, com gráficos melhorados, jogabilidade ótima usando a segunda tela e a narrativa emocionante com aquela inconfundível trilha sonora.

Depois das centenas de horas em Dark Souls, resolvi voltar para o game que me fez começar a ver um novo sentido na vida e nos games: Demon's Souls. Peguei a minha cópia física do game e parti para criar um novo Knight. O bacana é que o jogo está de graça para usuários da PSN Plus, então tem uma galera de volta ao game para morrer mais um pouco.

Sou fã da série Metal Gear há muito tempo, mas nunca havia jogado outro jogo de Hideo Kojima. Com o relançamento dos dois principais jogos da franquia em HD pela Konami, aproveitei para enfim conhecer a série, que já havia sido recomendada por amigos. Por enquanto, ainda estou no primeiro jogo e ainda sofro um pouco com os controles (em especial da câmera), que parecem já datados. Apesar disso, Zone of the Enders me cativou com toda a sua ação e a sua história. Para quem, como eu, ainda não conhecia a série, essa é uma HD Collection que vale a pena.

E você, o que está jogando neste momento?

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.