Voxel

Semana TCG: o que estamos jogando (15/04/2013)

Último Vídeo

Img_normal

Nova segunda-feira no mundo dos games e mais uma vez chega a hora de apresentarmos o quadro "O que estamos jogando". Talvez você pense que seja impossível que os títulos prestigiados por nós mudem a cada semana, mas acredite: a equipe BJ é muito grande, e nós simplesmente adoramos jogos eletrônicos.

Sem mais delongas, confira o que estamos jogando. Lembramos que aqui constam apenas os games que MAIS estamos jogando, embora possamos estar experimentando outros títulos simultaneamente. Além disso, aparecem neste quadro somente alguns dos integrantes da equipe BJ:

Depois de fechar o repetitivo Assassin’s Creed no final de semana passado, passei a jogar o segundo título da série nos últimos dias. Além do aperfeiçoamento gráfico perceptível entre os jogos, a narrativa — que já era boa — ficou excelente e as missões se tornaram mais dinâmicas e diversificadas. Apesar de ainda não ter fechado o primeiro capítulo da saga de Ezio Auditore, a cada assassinato, pancadaria e escalada me torno mais fã da franquia.

?
  • Vinicius Karasinski - Evoland

Durante o final de semana, encontrei o game independente Evoland em destaque no Steam. Gostei da descrição e decidi apostar no título, que traz uma jogabilidade que mistura The Legend of Zelda com Final Fantasy. A ideia por trás do jogo é completamente original. Quando você inicia a aventura, não existe som ou menus, e os gráficos são no estilo 8-bits. 

Conforme você evolui na história — cheia de referência a outros jogos importantes — os gráficos e efeitos sonoros evoluem junto, fazendo você viver a transição 2D para 3D em tempo real. Um jogo simplesmente imperdível para qualquer um que goste de RPGs e jogos de ação.

Há tempos eu não me divertia tanto em um jogo. Com uma jogabilidade simples e bem refinada, o título surpreende pelo bom-humor. A saga de um luchador em busca de sua amada pode não ser a mais original de todas, mas as piadas e referências espalhadas por todos os cantos fazem de Guacamelee! um título imperdível. Isso sem falar do nível de dificuldade que, por muitas vezes, me fez querer jogar o Vita contra a parede.

Infelizmente, devido aos termos de contrato impostos pela Square Enix, não posso dar muitos detalhes sobre o Beta de Final Fantasy XIV: A Realm Reborn. Mesmo assim, posso garantir que o game tem potencial para chamar a atenção de muitos fãs de MMOs.

Embora aposte na fórmula clássica de missões combinadas à matança desenfreada de inimigos, o jogo em nenhum momento parece ser uma mera cópia de World of Warcraft — algo bastante positivo. Pelo pouco que pude conferir até o momento, a versão final do título deve acabar com o gosto amargo deixado pela sua versão original.

  • Gustavo Bonato Abrão - Ridiculous Fishing - A Tale of Redemption (iOS 5+)

Este jogo mobile está com maior nota em crítica especializada pelo Metacritic até agora em 2013, por isso fui verificar de perto se realmente ele era tudo aquilo que a nota indicava.

Os gráficos do jogo são "quadrados" e isso pode causar uma má impressão em muita gente, principalmente pelo ícone do jogo na App Store. Mas não se iludam, isso faz parte da arte do jogo: ele é feito pra ser assim, retrô estilizado.

Basicamente, você deve jogar o seu anzol e tentar chegar o mais fundo no mar desviando de peixes, baleias, cavalos-marinhos e águas-vivas pelo acelerômetro do iPhone, iPod ou iPad. Inevitavelmente, você não conseguirá escapar de todos eles e então será a hora de recolher o anzol, tentando fisgar o maior número de espécies diferentes.

Ao chegar no barco, o pescador vai alçar toda a sua pescaria e será hora de... Metralhar tudo para ganhar dinheiro e comprar mais power-ups para ir cada vez mais longe e abrir novas áreas! Tem como algo louco assim não ser sensacional? Vale a pena experimentar.

O hype em torno de Resident Evil: Revelations me fez resgatar uma das melhores pérolas da geração passada: o remake de Resident Evil para GameCube. Sou um dos poucos entusiastas que, até hoje, consideram o game uma obra-prima. Dá mais calafrios que Silent Hill e mais sustos que Dead Space, sem brincadeira.

Completamente redesenhado, é um verdadeiro convite ao autêntico survival horror, que tem os zumbis clássicos idealizados por George Romero, sem esses monstrengos sofisticados do quadro atual. Acho que estamos um pouco carentes dessa mecânica descomplicada. Para respeitar a linha do tempo da série, pretendo fechar o 2, o 3 e o 4 até o lançamento de Revelations aos consoles de mesa no final de maio.

E você, o que está jogando neste momento?

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.