Square Enix: microtransações são melhores no mobile do que nos consoles
109
Compartilhamentos

Square Enix: microtransações são melhores no mobile do que nos consoles

Último Vídeo

Fechando 2017 com um histórico bastante positivo graças a games como NieR: Automata e ao sucesso contínuo de Final Fantasy XV, a Square Enix não é nenhuma estranha à ideia de “jogos como serviço”. No entanto, a empresa parece avessa à ideia de trabalhar com sistemas baseados em microtransações, ao menos no que diz respeito a seus lançamentos para consoles.

“O que as pessoas esperam e querem em jogos para consoles caseiros é talvez bastante diferente do que as pessoas querem em um game mobile”, afirmou o CEO Yosuke Matsuda em entrevista à MCV. “A maneira como os jogos de console são feitos, o volume de conteúdo e o tanto de esforço que vai neles, há algo nisso em que microtransações não se encaixam na mente”.

Nier: Automata

Vale notar que, embora a Square Enix tenha se mantido alheia a mecânicas de microtransações que envolvem caixas de loot, ela não deixa de vender conteúdos adicionais para seus jogos. Passes de temporada e pacotes com itens cosméticos (ou até mesmo que aceleram a evolução de personagens) já foram associados a jogos como Final Fantasy e Deus Ex, por exemplo.

Pela declaração, parece que Matsuda no mínimo reconhece que os consumidores não veem com bons olhos jogos que cobram US$ 60 como “taxa de entrada” e ainda assim escondem conteúdos importantes sob microtransações. Resta esperar que as controvérsias geradas por games como Star Wars Battlefront II e as decisões de governos de países distintos de investigar práticas do tipo sejam suficientes para que a Square Enix e outras empresas se afastem de decisões que enfureçam os jogadores.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.