Voxel

Take-Two afirma que culpar games pela violência é ignorar os reais motivadores

Último Vídeo

Img_normal
Após um representante do departamento do xerife da Louisiana ter afirmado que Grand Theft Auto IV pode ter sido responsável por um assassinato recente, a publicadora Take-Two Interactive veio a público para defender um ponto de vista contrário. Segundo a empresa, colocar toda a responsabilidade nos jogos eletrônicos é querer ignorar os motivos reais pelos quais existem crimes.

“Criar uma ligação com o entretenimento — uma teoria que já foi refutada repetidamente por diversos estudos independentes — minimiza o momento e deixa de lado a real discussão que deveria ser tida”, afirmou a companhia em uma declaração oficial enviada à CNN. No crime em questão, uma criança de somente 8 anos de idade é acusada de atirar e matar uma mulher de 87 anos de idade.

“Apesar do motivo do tiroteio ser desconhecido, investigadores descobriram que o suspeito juvenil estava jogando um game de PlayStation 3 — Grand Theft Auto IV — minutos antes do homício, uma experiência realista que é associada com o encorajamento da violência e premia o jogador por matar pessoas”, afirmou o departamento policial.

Tentativa de encontrar uma explicação

Embora a associação entre jogos eletrônicos e violência não seja nenhuma novidade para quem acompanha o meio, de certa forma ela é compreensível. Não porque há uma verdadeira ligação entre ambos, mas sim porque, em momentos como esse, tentamos encontrar explicações para que o é inexplicável — no caso, o mais fácil é culpar uma peça de entretenimento qualquer.

Img_normal
Felizmente, já passamos da época em que uma associação do tipo ganharia um grande espaço na mídia, fazendo com que alguns políticos se aproveitassem para criar proibições sem nenhum fundamento. No entanto, ainda é um pouco triste ver que ainda há quem pense que uma peça de entretenimento sozinha pode ter total influência sobre as reações e comportamentos de uma pessoa.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.