Em tempos de crise, mercado brasileiro de games precisa de mão-de-obra

Em tempos de crise, mercado brasileiro de games precisa de mão-de-obra

Último Vídeo

Parece que o jogo virou, não é mesmo? Ingressar no mercado de trabalho pode ser uma tarefa difícil, mas não para quem está em contato com o ramo desde pequeno. Esse é o caso do setor de jogos eletrônicos no Brasil, no qual os empregos cresceram 13 vezes mais do que o mercado de trabalho em geral.

Ocupando o quarto lugar no ranking mundial de consumo de games, o Brasil está precisando urgentemente de profissionais para trabalhar na indústria que fatura mais do que o cinema e música juntos.

O setor está criando mais vagas do que o mercado está gerando profissionais, resultando em salários que começa em R$ 3 mil e que podem chegar a R$ 8 mil. Os dados são da reportagem do RJTV, da Globo, divulgadas no site do G1.

Abaixo você confere uma entrevista realizada em março deste ano com Rafael Dubiela, professor e coordenador do curso de Jogos Digitais da Universidade Positivo.

“Este é um mercado que está empregando muita gente, está crescendo, mas sofre com mão de obra qualificada. Hoje, na indústria criativa, temos um salário médio que é três vezes maior do que o mercado normal. Por quê? Porque falta gente qualificada para entrar nessa indústria”, afirma Marcelo Hodger, diretor-geral da Escola de Games.

De acordo com Marcos Lopes, diretor de tecnlogia da Microcamp, o mercado de games exige um profissional especialista, mas que também tenha uma visão mais ampla das outras atividades. “Um programador pode ter uma visão de gestão de projetos e de administração, e também ter uma noção artística do desenvolvimento de um jogo. Esses detalhes fazem a diferença”, comenta.

Porém, a escassez atinge também as instituições de ensino. “Procuramos profissionais que atuem na área para ministrar aulas e não encontramos. Estamos formando mão de obra interna”, relata o diretor da Microcamp.

Por que a mão-de-obra é tão escassa no mercado de games brasileiro? Comente no Fórum do TecMundo Games

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.