Voxel
153
Compartilhamentos

Trailer de Watch Dogs rodava em um PS4; diretor traz mais detalhes técnicos

Último Vídeo

As novidades de Watch Dogs liberadas pelo Ubisoft na última quarta-feira deixaram todo mundo empolgado. Também pudera, pois o estúdio entregou tudo aquilo que esperávamos há meses e conseguiu elevar as expectativas, que já eram altas. E eis que, passada a empolgação inicial, mas alguns detalhes começam a surgir.

A principal delas diz respeito às imagens que apareceram no trailer divulgado. Muita gente se perguntou qual era foi console utilizado para capturar as cenas de jogabilidade, uma vez que todos estão curiosos para saber como ficará o resultado final. E o diretor criativo do game, Jonathan Morin veio a público detalhar que tudo o que vimos foi feito em um kit de desenvolvimento do PS4 — confirmando a suspeita de muitos.

Além disso, em um vídeo de perguntas e respostas, Morin detalhou algumas questões mais técnicas que também têm tirado o sono dos fãs mais exigentes. Segundo ele, a taxa de quadros por segundo está bem estável e dentro daquilo que a equipe considera excelente. Ainda assim, ele explica que os desenvolvedores vão continuar trabalhando até o último segundo para deixar esse desempenho ainda melhor.

O diretor ainda completa dizendo que Watch Dogs está ficando ótimo e que todos vão perceber isso tão logo coloquem as mãos no jogo — algo que muita gente não vê a hora de acontecer. E, para quem estava preocupado com duração do game, Morin conta que um jogador “típico” levará entre 35 e 40 horas para completar o título, mas é possível estender esse tempo para a casa das centenas.

Já em relação ao uso do DualShock 4, Jonathan Morin disse que sua equipe não está tentando fazer nada espetacular com o controle e que a única particularidade é o uso do touchpad para o controle do mapa. E, de quebra, ele ainda divulgou uma imagem que mostra o mapeamento do controle e o que cada botão faz. Assim, se você quiser ir se preparando, é melhor decorar para chegar àquela Chicago futurista já manjando dos paranauês.

Outros detalhes

Por fim, o diretor criativo trouxe pequenas informações relacionadas à jogabilidade e àquilo que poderemos fazer dentro do mundo aberto proposto. São pequenas coisas que, juntas, ajudam a tornar o game ainda mais rico. Confira algumas delas:

  • Será possível matar NPCs;
  • A forma como os NPCs reagem a Aiden depende do que você faz e de sua reputação;
  • Como em inFamous, ser bom ou mal vai alterar o jogo em si, mas não a história;
  • Embora a ideia seja recriar Chicago de maneira fiel, foi preciso diminuí-la e torná-la um pouco mais densa, para evitar criar algo grande e vazio;
  • Assim como em GTA, há um medidor de procurado. A diferença é que os NPCs vão lembrar e comentar o que você fez.
  • Você poderá personalizar as roupas de Aiden, mas não os carros ou suas armas;
  • Watch Dogs terá cerca de 70 veículos e você vai sentir a diferença de cada um deles;
  • Há vários esconderijos espalhados pela cidade, que podem ser usados para fugir da polícia, viajar rapidamente pelo mapa ou avançar o tempo;
  • A eficiência de suas ferramentas de hack varia de dia e de noite;
  • Há um modo multiplayer em que você pode simplesmente vagar pelo mapa e fazer o que quiser;
  • É possível desabilitar a intervenção multiplayer de outros jogadores em sua campanha, mas o diretor pede para que as pessoas testem antes;
  • Não haverá integração entre gerações.
Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.