Voxel

Ubisoft detalha como será a jogabilidade nos tempos atuais de AC4: Black Flag

Último Vídeo


Na semana passada, a Ubisoft mostrou um pouco da ambientação dos tempos atuais que teremos em Assassin’s Creed IV: Black Flag. No entanto, as imagens não revelavam muita coisa e serviram para deixar os fãs ainda mais curiosos. E eis que as primeiras explicações finalmente começam a surgir.

Em seu blog oficial, a empresa detalhou um pouco desse contexto afirmando que, apesar de um novo protagonista, teremos um arco inédito que deve mostrar as consequências da decisão de Desmond. Prova disso é que o mundo ainda permanece o mesmo, uma vez que Juno ainda não está forte o suficiente para fazer qualquer transformação.

Além disso, a empresa explicou que os jogadores poderão entrar e sair do Animus a qualquer momento e que, fora da realidade virtual controlada pela máquina, controlaremos um é um rapaz que acabou de entrar na Abstergo e que, por isso, ainda não conhece todos os seus segredos, algo que deve acontecer aos poucos à medida que se aprofunda nas memórias de Edward Kenway. A Ubisoft ainda frisou que nem todos na empresa são templários e que somente os altos cargos são ocupados por membros da Ordem. Porém, isso não significa que não vamos encontrar ninguém entre os corredores do escritório de Quebec no qual o jogo se passa.


E como o protagonista — que provavelmente não vai falar nada fora do Animus — é totalmente neutro na guerra entre assassinos e templários, isso significa que não teremos combates nos tempos atuais. De acordo com o estúdio, esses momentos servirão para que você explore a Abstergo e conheça um pouco de sua história e ambição, explorando seu prédio, ouvindo conversas alheias e invadindo seus sistemas.

Isso cria uma ligação bem direta com aquilo que vimos em Assassin’s Creed III: Liberation, em que as memórias de Aveline eram comercializadas como um game e alguém hackeava o jogo para expor a verdade. Desse modo, podemos esperar mais puzzles do gênero — como os glyphes e clusters — em AC4.


E para quem está curioso para saber se teremos alguma referência a Desmond em Black Flag, a Ubisoft explicou que o Subject 17 vai voltar, mesmo que de maneira indireta. Além dele, outros rostos conhecidos podem retornar, embora nenhum nome tenha sido citado.

Por fim, a explicação da companhia afirma que a tecnologia dos templários em relação ao Animus evoluiu bastante em relação àquilo que conhecíamos. Enquanto os jogos anteriores apresentavam uma adaptação feita pelos assassinos a partir de um projeto roubado da Abstergo, a companhia de fachada evoluiu tanto que seus servidores armazenam até mesmo memórias genéticas, o que permite que você acesse as lembranças de outros indivíduos. Só resta saber como isso vai funcionar dentro da jogabilidade.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.