Voxel

Você já pode matar criaturas horríveis em Killing Floor 2 [vídeo]

Último Vídeo

Foi lançado no Acesso Antecipado do Steam o jogo de tiro cooperativo Killing Floor 2. Trata-se, como o nome sugere, de uma continuação de um título lançado para PC em 2009. O jogo está saindo por R$ 55,99 na versão mais simples.

Os inimigos deste game se chamam Zeds e são criaturas humanoides com aparência horrível. Melhor assim, que não dá pena de matar. Aliás, não vão faltar meios para mandar essas criaturas para o inferno: há exatamente 27 armas, desde rifles de assalto até equipamentos híbridos e "malucos", segundo a produtora Tripwire.

O game conta com sete personagens, incluindo a novata Ana Larive, que podem assumir um dos quatro papéis disponíveis: berserker, suporte, comando e médico. Eles terão três fases não lineares para explorar, como Burning Paris, Outpost e uma versão repaginada de Biotics Lab, do jogo original. E, claro, como bom jogo de PC que é, o título permite criar fases.

A Tripwire afirma ter planos de adicionar novos mapas, monstros, classes, armas e modalidades de jogo durante o período de Acesso Antecipado. O equilíbrio de partidas será refinado e melhorado baseado no feedback da comunidade. Uma parte do conteúdo desta fase poderá ser levada para a versão completa do game, de acordo com a produtora.

"Vamos contar para sua mãe"

Killing Floor 2 está causando uma pequena polêmica. De acordo com o contrato de utilização, a companhia se dá o direito de revogar a CD key, fazendo com que o usuário perca o jogo. Um fórum no Steam reclama desse "flagrante desrespeito aos direitos de posse", em que Alan Wilson, vice-presidente da Tripwire,(vírgula) tenta pôr panos quentes.

"As pessoas estão preocupadas que podemos tirar seu jogo. Bem, podemos. Vendemos cerca de 10 milhões de games nos últimos 10 anos. Tiramos, eu creio, jogos de duas pessoas. Um deles depois foi condenado na Justiça por ser um hacker", escreveu. Ele diz que a cláusula está aí para que, se no futuro alguém estiver "fora de controle" e milhares de pessoas estiverem reclamando, a companhia possa tomar uma atitude.

A ação extrema pode ser empregada para quem pratica "cyberbullying", que é definido, entre outras coisas, por práticas de assédio, racismo e sexismo. Trapaças, ou "meios de burlar ou contornar qualquer elemento do jogo ou dos servidores para ganhar vantagem no modo multiplayer", também não serão admitidas.

Se você quiser saber mais sobre Killing Floor 2, o Kotaku norte-americano fez uma sessão de gameplay que pode ser vista no vídeo abaixo:

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.