Seu Review foi enviado com sucesso.
Enquanto ele fica pendente de aprovação, dê sua nota para o jogo. Sua opinião é importante para a comunidade!
Avaliar este jogo
Voxel
Death Stranding
COMUN.
91
VOXEL
Death Stranding
Avaliar este jogo
Review
Avaliar este jogo

Death Stranding é uma experiência marcante com um frescor de novas ideias

Vinicius Munhoz

Quando Hideo Kojima deixou a Konami e largou Silent Hills vulgo um dos projetos mais hypados e ambiciosos da história todos ficaram aguardando o que viria a seguir. Eis que Death Stranding surge de forma gloriosa e ambiciosa após todas as reviravoltas. Era como se Kojima tivesse sido solto de suas amarras e fazendo o que queria de verdade.

Nem parece que o título foi anunciado há três anos, mas o dia chegou. Ano vai e ano vem, o game começou a oscilar entre frustração e curiosidade dos fãs. Afinal, o que é Death Stranding? Ele sequer é um jogo? É mais filme? Kojima acertou de novo? Vem ver a nossa análise completa... ou não.

Um game para ser experimentado, não relatado

Se você gosta de mistérios e tem amado a campanha nebulosa que só Kojima pode bancar, saia desta análise agora e mergulhe de cabeça rumo ao desconhecido. Sabe, aí é que está grande parte da graça do game: jogar, ter uma experiência bastante pessoal e esperar para ser surpreendido. Foi divertido questionar o que mais viria pela frente e refletir.

Por mais de 50 horas de campanha, vi o meu progresso e minha impressão da obra se transformar, quase como um demorado processo evolutivo. Death Stranding me cativou pela história, mas também pela peculiaridade que foi descobrir como o jogo funciona. Algo que, inclusive, será muito difícil de transmitir por aqui. É algo realmente doido e só jogando para entender.

A

O título certamente não é para todos os gostos. E isso não é uma falha de “compreensão” de quem joga. Não existe “jogou errado” ou “não entendeu o que significa”. Assim como visual novels, simuladores e outros gêneros mais nichados, Death Stranding traz uma experiência diferente, mas uma que funciona de forma empírica: precisa ser testada para ser compreendida.

Mas, se ainda assim você está curioso, venha conferir o nosso review completo!

Atenção: essa análise foi elaborada seguindo à risca as instruções de embargo da Sony. Apesar disso, entendemos que alguns jogadores não gostariam de saber a premissa do jogo nem mesmo detalhes que são revelados nas primeiras horas de jogatina. Para estes, incluímos o aviso de "pode conter pequenos spoilers" e  destacamos a condição no início do review . Esperamos que gostem da nossa análise!

-

Kojima conseguiu: entregar pacotes é legal de um jeito interessante

Vamos tirar o elefante branco da sala primeiro. Death Stranding foi, de certa forma, muito honesto no seu marketing. Em um grande resumo, a maior parte do jogo centra na atividade de levar cargas do ponto A ao ponto B. Há combate, stealth, pitadas de terror e uma história extremamente cativante e impactante.

Contudo, é importante frisar o gameplay primeiro: afinal, estamos falando de uma campanha bem longa. Sem dúvida alguma, não é um título apelativo para todas as audiências. Misturando elementos sociais de Journey, movimentação e combate de Metal Gear e outros elementos, você passará a maior parte do tempo entregando encomendas.

Você controla Sam Porter Bridges, interpretado pelo ator Norman Reedus e conhecido como o “o homem que entrega”. E rapaz... você vai entregar muita coisa. Mas veja bem: não estou falando de uma forma pejorativa. De uma forma bem desafiadora de explicar, passar dezenas de horas levando cargas é algo realmente interessante da perspectiva de gameplay, que teoricamente poderia ser extremamente tediosa. E, honestamente, será mesmo para algumas pessoas.

Há dois motivos pra jogabilidade funcionar. O primeiro é como o mundo, mecânicas e desafios são construídos. Os locais do jogo são bem grandes e trazem uma infinidade de desafios, desde rios para atravessar, montanhas para escalar e a terrível chuva temporal, capaz de envelhecer tudo que toca e danificar os pacotes. Inicialmente, a dificuldade é a de gerenciar a carga, o peso que Sam consegue aguentar, as condições dos pacotes (algo essencial) e a energia do personagem, mas aos poucos vai mudando.

A constante transformação na maneira de fazer as entregas é algo que apimenta o ritmo lento e cadenciado de Death Stranding. No começo, é preciso se atentar muito com o equilíbrio e com alguns elementos de sobrevivência. Caso calculado errado, você terá peso demais para escalar certos lugares ou fugir de inimigos; caso carregue de menos, terá um progresso pouco significativo e pode não ter os recursos e materiais necessários para certas situações. Todavia, conforme a campanha avança e você completa mais missões, equipamentos novos ajudam na jornada de Sam, como exoesqueletos energizados, tratores para carregar cargas acopladas, veículos e muito mais.

A

Contudo, isso traz novas dificuldades: tratores não podem subir escadas, veículos drenam bateria, terrenos acidentados impedem certas estratégias e por aí vai. Outros imprevistos sempre estão surgindo, como novos terrenos (neve e áreas rochosas), pedras que podem desabar e acertar o jogador e muito mais. A grande sacada é que o mundo aberto não está ali para ser explorado e fica mais como um grande inimigo. Calcular as rotas é algo essencial e é preciso planejamento: pegar os atalhos ao escalar montanhas e enfrentar inimigos ou dar uma longa volta que pode esgotar a energia de Sam? A escolha é sua. Essa dificuldade é estranhamente divertida.

As missões principais não são as únicas. As tarefas secundárias oferecem ainda mais equipamentos novos e garantem recursos a cada entrega garantida, como metal, resinas, componentes químicos e mais, todos necessários para construir estruturas no mapa (mais sobre isso depois). E relaxa: ainda há dezenas de coisas para fazer e colecionáveis para pegar depois de zerar o jogo.

Death Stranding consegue tornar o inesperado em algo legal: por mais de 50 horas, é bem gostoso entregar pacotes do ponto A ao ponto B

Por mais que eu tenha gostado dessa mecânica central de Death Stranding, é compreensível que muitas pessoas não gostem. Principalmente por conta de trechos arrastados do game em que o jogador deve executar fetch quests desnecessariamente longas que quebram o ritmo. Não é algo ruim, mas certamente poderia ser melhor.

Combate tímido, mas cumpre seu papel

A parte boa é que para contrabalancear a rotina de entregas, há outros perigos no mundo. Eles podem ser categorizados em três: as MULAs, entregadores que perderam parte da humanidade e só querem roubar sua carga, os homo demens, terroristas que farão de tudo para te matar, e os BTs, ou EPs em português, as entidades sobrenaturais que cercam o mundo de Death Stranding e, de longe, são os maiores perigos, já que o protagonista não consegue vê-los ou entendê-los.

Inicialmente, Sam só consegue fugir dessas oponentes. Com cerca de cinco a seis horas de campanha, os primeiros traços de combate do jogo surgem. O ritmo lento pode ser impeditivo para muitos, mas é legal ganhar cada vez mais recursos para confrontar os adversários. Você terá muitas armas na campanha, mas elas demoram a aparecer e certamente não são o foco do gameplay.

A

E, até no combate, o jogador terá que se virar com suas cargas. Armas ocupam muito espaço, assim como bolsas de sangue, que servem para confrontar entidades sobrenaturais e recuperar a vida de Sam. Ter pacotes demais empilhados nas costas tiram o elemento furtivo da grama alta, por exemplo. O BB, bebê companheiro que consegue detectar EPs, pode ficar estressado e desligar caso a situação fique tensa. Se preparar muito para o combate certamente pode ser punitivo diante outras faces desafiadoras da aventura. Essa dinâmica é sensacional e sempre deixa a escolha na mão do jogador: usar a furtividade ou bater de frente. E pode ter certeza: o stealth é bem-feito e traz momentos tensos.

Acredite: às vezes fugir é a melhor opção. Uma das mecânicas mais interessantes do combate de Death Stranding é que o protagonista é imortal e pode ser repatriado para o mundo dos vivos. Entretanto, se você morrer para um EP, o mundo dos mortos e dos vivos entram em confronto e uma obliteração acontece no mapa, explodindo uma boa parte da área e isolando o local de qualquer exploração.

Mas, de vez em quando, as lutas são obrigatórias. As batalhas contra chefões são bem marcantes no começo e dão o pico de adrenalina necessário para acelerar o ritmo. Contudo, eu gostaria que houvesse mais delas e que, num escopo geral, fossem mais espalhadas e mais memoráveis. A realidade é que neste ponto eu gostaria que o título fosse mais convencional, com missões em que é preciso defender um personagem dos EPs ou trechos mais enclausurados e claustrofóbicos com um terror invisível

-

Se você espera que o game seja repleto de ação, tenha conteúdo no mundo aberto como um RPG e lotado de atividades diferentes, é bom maneirar as expectativas. Mas isso está longe de dizer que o título é ruim. Death Stranding é uma obra muito distinta do que você pode esperar e é ótimo que Kojima tenha colocado uma experiência tão diferente. Assim como jogar um MOBA pela primeira vez, é preciso se acostumar com a ideia nova.

Multiplayer cooperativo inovador: nasce um novo gênero?

E essa junção de particularidades não podia ser melhor com a parte realmente inédita aqui: o multiplayer cooperativo velado do jogo, o segundo ponto para jogabilidade ser tão boa. Esse é o elemento mais incrível e gostoso de todo a experiência e reforça todos os demais pontos positivos. Você não está sozinho. O mundo está conectado com todos os jogadores e é possível ajudar a si mesmo e os outros durante a jornada.

Pense como alguns passos além da franquia Dark Souls. Você pode deixar mensagens espalhadas pelo mundo, mas também itens, construções e até mesmo cargas para outros jogadores. É muito agradável conectar uma nova área e, ao fazer o que poderia ser o árduo trajeto de volta, encontrar escadas, pontes e até mesmo estradas pavimentadas no caminho.

Então você pode pensar: quanto mais tarde eu jogar, melhor! Afinal, mais jogadores terão realizado feitos pelo mundo. Aí vem a grande sacada: você só pode usar recursos depois de conectar cada área à rede quiral que faz parte da trama. E, mesmo assim, o que você vê está limitado ao seu rank de elo social. Quanto mais você faz pelos outros, mais consegue ver o mundo transformado. É até legal que tudo o que é construído, seja seu ou dos outros, pode receber curtidas e até mesmo ganhar pedidos de ajuda comunitários, indicando que o jogador em questão deseja que outras pessoas contribuam com materiais para aumentar o nível da estrutura. Ou, em outro caso, é possível pedir para que outros jogadores entreguem equipamentos para você, caso esteja longe demais de postos de reabastecimento (e isso conta pontos para quem o faz).

Portanto, é preciso ajudar para ser ajudado. Você pode fazer isso ao entregar cargas perdidas de outros jogadores. Como um personagem diz: “cada carga é uma promessa de ajuda”, e se você não conseguir realizar, pode deixar seus pacotes em postos de coleta para que outros jogadores levem adiante. Realizar missões secundárias, carregar muitos pacotes de uma só vez, entregar tudo rapidamente e qualquer outra atividade aumentam os atributos de Sam, recompensando o jogador com melhorias significativas. 

É um conceito inesperado, mas que funciona de forma fantástica. Mesmo depois do término da campanha, gastei quase dez horas construindo um mundo melhor que ao mesmo tempo ajudou a mim e a outros. Com um mapa mais conectado, entregas se tornam mais fáceis. E com mais mais delas, mais recursos surgem. É simplesmente divertido e entretivo moldar o mundo.

A

De fato, esse conceito pode encaixar Death Stranding em um novo gênero. Não um revolucionário, mas um em que velhas peças do quebra-cabeça são montadas de uma forma inédita. Assim como Dark Souls é tão diferente de um RPG de ação que inaugurou o gênero “soulslike”, o game de Hideo Kojima pode, de fato, inaugurar o “strand social system”.

Trama de ficção científica extremamente original e bem-construída

Se todo o papo do gameplay não convenceu, fique tranquilo: a história é um ótimo alicerce para segurar a jogatina. Hideo Kojima é, no fundo, um aspirante a cineasta e todo esse desejo é refletido em Death Stranding. A trama é incrível e se tornará uma das mais memoráveis da geração. Não vou dar nenhum spoiler aqui, mas pode esperar por muitas referências da cultura pop (incluindo celebridades não anunciadas), outros games e até mesmo da série Metal Gear Solid.

O enredo é simplesmente muito original e criativo. E, por mais que os mistérios permeiam por toda a campanha e sejam motivadores para a progressão, o título faz questão que você entenda o escopo geral nas primeiras horas, intrigando o jogador com o suficiente para se continuar.

-

Espere por muitas coisas doidas: eventos de extinção, temas sobrenaturais que mesclam multiversos, poderes especiais, bebês com ligações ao mundo dos mortos, ficção científica extremamente bem-escrita, mitologia egípcia e muitas leis naturais que foram alteradas após os eventos do Death Stranding, uma catástrofe natural que extinguiu os laços da humanidade e mudou drasticamente a forma de viver.

Na história, Sam é um nômade que só pensa em sobreviver ao amanhã. Há muitos perigos espalhados, desde os EPs às chuvas temporais, formadas pelo quiralium, uma espécie de anti-matéria do mundo dos mortos que serve tanto para o desenvolvimento tecnológico quanto para intoxicar o mundo. Mas em uma reviravolta, o protagonista se junta à Bridges, corporação e novo governo americano que deseja reconectar a América de leste a oeste através da rede quiral, um meio de transmissão de dados e até matéria que utiliza as Praias, o elo físico que liga o mundo dos mortos e dos vivos. O tema do jogo é a conexão e criação de laços.

A

No mundo de Death Stranding, o pós-vida se tornou algo cientificamente comprovado. E perigoso. Quando o mundo foi obliterado no encontro dos multiversos do mundo dos vivos e dos mortos, tudo mudou. Os EPs, os "elos perdidos", tentam agarrar os vivos e, no processo, podem criar obliterações, explosões de magnitudes gigantescas.

Pessoas que morrem necrosam em 48 horas. Isso faz com que corpos não queimados virem EPs ou até pior: causem outras obliterações. A morte deve ser evitada a qualquer custo. O mais legal é que todos os elementos da trama casam perfeitamente com o gameplay, como no combate do game, já que todo corpo deixado, incluindo a própria morte do jogador, traz consequências graves. A abordagem é quase unanimemente não-letal, apesar de haver alternativas mais agressivas (e com seus respectivos desdobramentos).

Os elementos originais não param e é realmente impressionante o enredo criado por Kojima. E, certamente, ter atores de Hollywood do começo ao fim ajuda na imersão, veracidade e empatia pelos acontecimentos. Madds Mikelsen, Guillermo Del Toro, Lea Léa Seydoux e muitos outros nomes exercem muito bem seus papéis. Todas as cutscenes são lindas de ver e contam com atuação de altíssima qualidade. E, diferentemente de Metal Gear Solid V, Kojima abusou mais de cenas e menos de histórias contadas por áudios.

A

Entretanto, é essencial ler textos e ouvir áudios de outros personagens. A parte mais bacana é que há centenas de arquivos para ler e todos são incrivelmente bem-feitos e trazem um ótimo material para complementar a aventura e embasar o universo incrivelmente técnicos por trás de Death Stranding. Caso não veja tudo e acredite que há pontas soltas, basta fazer missões secundárias e descobrir ainda mais sobre os bastidores do enredo.

Kojima criou uma história muito interessante, com bastante reviravoltas e mistérios que prende o jogador desde o começo

O jogo está completamente em português e pode ser apreciado por quem deseja jogar legendado ou dublado. Infelizmente, um bug fez com que as vozes em PT-BR não funcionassem para mim quase até o fim e não tive a chance de jogar a maior parte da obra em nosso idioma, mas o pouco que vi me pareceu bem-feita e caprichada.

Death Stranding é, graficamente, uma bisbilhotada pela fechadura da nova geração

Toda essa apresentação visual é simplesmente fantástica. Death Stranding é, em termos gráficos, uma bisbilhotada da nova geração. O game é um dos mais bonitos de toda a geração, isso se não for o primeiro lugar da lista. As expressões faciais são incríveis, a distância de renderização do mapa é gigantesca e tudo parece construído à mão e de forma extremamente fotorrealista.

A atuação dos personagens é algo essencial para a trama e Kojima deu um grande destaque aos gráficos de cada personagem. Com exceção de Until DawnMan of Medan e Detroit: Become Human, possivelmente temos um dos melhores visuais para colocar atores em um videogame.

Por mais de 50 horas de campanha e mais uma dezena de exploração extra, pouquíssimas vezes a performance oscilou e a taxa de frames por segundo sempre se manteve nos 30 quadros – pelo menos no PS4 Pro, plataforma que joguei. As exceções se encontram ao viajar rapidamente no modo turbo dos veículos enquanto tem uma perspectiva muito grande do mapa com efeitos especiais, como a chuva. Contudo, mas nada que incomode muito.

Somando isso à trilha sonora expressiva e tocante, temos uma obra audiovisual de tirar o chapéu. Frequentemente o game ativa algumas músicas durante viagens importantes para dar um tom bem contemplativo.

-

Death Stranding não é perfeito e tem sua cota de problemas

Apesar de ter muitos pontos positivos, o título não está livre de problemas. O ritmo é, sem dúvidas, um dos principais empecilhos. O game é muito cadenciado, demorado e, muitas vezes, arrastado. A construção de todo o gameplay faz valer a pena, mas muitos elementos demoram demais para aparecer.

É compreensível a montagem de “diretor” que Kojima quis passar, mas certamente ter apelado mais para elementos de jogabilidade marcantes no início não faria mal. Em suma, Death Stranding parece a maior montanha russa do mundo: tem uma subida longa (que, mesmo assim, eu gostei) e faz valer a pena a descida e todos os loopings que vem a seguir, mesmo que haja novas subidas. Entretanto, a abordagem pode afastar os mais céticos.

A

O combate só vem depois de cinco horas. Grandes reviravoltas e capítulos completamente diferentes surgiram depois de 20 a 25 horas. E, por falar nele, não há nada desafiador por aqui. Mesmo jogando no Difícil, a opção mais desafiadora, passeei apertos pouquíssimas vezes e sequer reparei em grandes desafios. De fato, a maior dificuldade reside em progredir entre os terrenos do game.

Sem dúvidas, o título é lento e bem incomum. Isso certamente vai afastar algumas pessoas e está tudo bem não gostar

Por fim, o mundo aberto carece de vida. Sim, Death Stranding é sobre a morte, mas ter biomas mais variados e animais vagando seriam bem-vindos para evitar qualquer tipo de monotonia. Em toda a jornada, vi apenas duas florestas (que trouxeram experiências memoráveis) e alguns poucos pássaros que serviam apenas para enfeitar o cenário. Até mesmo as construções humanas são escassas. As que existem trazem alguns bons apertos e o sentimento claustrofóbico e impotente viria a calhar mais vezes. No fim, o mundo é cinza e populado apenas com o que você constrói.

Death Stranding vale a pena? Resposta difícil de dizer sem jogar

Death Stranding é seguramente um excelente jogo e um que ficará marcado na geração. Ele pode não ser o perfeito game nota 100 incontestável ou a experiência revolucionária que muitos fãs esperavam, mas é definitivamente um oásis de criatividade em um mercado tão artificial e com carência de boas ideias novas.

Infelizmente, a experiência não é abrangente. E está tudo bem em não ser. Assim como muitos de nós já esperávamos, o título vai dividir opiniões e é compreensível. Mesmo ressaltando todos os pontos positivos, é muito difícil informar suas qualidades. Isso porque Death Stranding é uma jornada de descobertas e constantes transformações que só podem ser experienciadas, não relatadas.

Se você já estava curioso com o jogo, vá em frente: veja o mínimo, evite spoilers, abra a cabeça para o novo. Provavelmente você vai se surpreender.

Death Stranding foi gentilmente cedido pela Sony para a realização desta análise.

91 ps4
Excelente
"Death Stranding não é um jogo revolucionário, mas monta um quadro inédito com peças antigas e traz um frescor de criatividade ao mercado."

Pontos Positivos

  • História extremamente original, cativante e cheia de atuações excelentes. A trama com certeza ficará marcada na geração
  • Campanha bem longa, com cerca de 50 horas, e cheia de missões secundárias e atividades extras para aumentar ainda mais o tempo de gameplay
  • A mecânica central de entrega de pacotes é surpreendentemente divertida para uma tarefa que poderia ser extremamente tediosa e mundana
  • O ritmo cadenciado é sempre recheado de novidades no ponto certo, oferecendo equipamentos, veículos e novas mecânicas para temperar a jogatina
  • Mundo aberto vasto e interessante para colocar em prática o pilar do gameplay e inserir desafios inesperados
  • O combate e stealth são satisfatórios e um bom extra para dar a adrenalina necessária no ritmo cadenciado
  • O multiplayer realmente é único e inovador, com um coop velado e extremamente balanceado que molda o mundo ao redor do jogador e cria um pilar único de jogabilidade
  • Gráficos de cair o queixo que certamente são um dos melhores da geração
  • Performance extremamente estável em 30 fps
  • Trilha sonora soberba que dá um tom contemplativo muito interessante ao game

Pontos Negativos

  • Ritmo desnecessariamente lento nas primeiras horas que tem seu propósito, mas corre o risco de entediar alguns
  • Poderia haver mais batalhas contra chefes e missões diferentes
  • Jogo bem fácil, mesmo jogando no modo mais difícil
  • O mundo poderia ter mais biomas, fauna e cenários urbanos
Voltar para notícia
Carregando...
Comentários
Carregando...
Este comentário foi apagado. Desfazer
+1
-1
Este comentário foi apagado. Desfazer
Responder Excluir Editar
+1
-1
Ver mais comentários Ver mais comentários